Notícias

Miss supera paraplegia, volta às passarelas e mostra que tudo é possível

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

15 de fevereiro de 2019 - 00:00 - Atualizado em 15 de fevereiro de 2019 - 00:00

Modelo sofre acidente, perde movimentos e volta para passarela. (Foto: Arquivo pessoal)

A jovem miss e modelo de 22 anos teve a vida virada de ponta cabeça após um grave acidente de carro

A curitibana Karoline Melo, 22 anos, teve sua vida virada de ponta cabeça depois que sofreu um grave acidente de carro em outubro de 2018. A modelo e miss soube de uma hora para outra que não poderia voltar a andar e viu seu mundo desabar até encontrar um motivo para continuar em frente. Agora, no próximo domingo (17), ela volta às passarelas para provar que tudo é possível quando você acredita.

Carreira

A jovem começou a carreira de modelo aos 15 anos e aos 18 já ficou em segundo lugar no concurso Rainha das Praias. Daí para frente sua carreira como miss deslanchou, entre 2014 e 2018, Karol conquistou 10 faixas em concursos de beleza, como o primeiro lugar no Miss TransAmérica, o terceiro lugar no Miss Curitiba e o prêmio de Miss Simpatia no mesmo concurso.“Como eu tinha um bom desenvolvimento na passarela e os coordenadores dos concursos acreditavam muito no meu potencial, eles sempre me convidavam. Era o que mais tinha prazer de fazer na vida”, conta.

Além de participar de competições, ela também ganhava a vida fazendo desfiles de moda, de noiva, catálogos de roupas e, inclusive, foi modelo oficial de uma marca famosa.

Karol começou a carreira de modelo aos 15 anos. (Foto: Arquivo pessoal)

O acidente

Karol conta que o acidente que mudou sua vida e sua forma de ver a existência ocorreu no dia 11 de outubro de 2018 quando ela e o namorado capotaram o veículo em que estavam. Sem usar o cinto de segurança, ela foi ejetada para fora do carro e, por sorte, sobreviveu.

“Quando eu cheguei no hospital, eu achei que eu tinha quebrado só a minha perna porque quando o Siate chegou a minha perna estava virada e eu estava sentindo muita dor. Mas lá eu tive a notícia que tinha quebrado o meu fêmur, o meu tálus [um osso do pé], a minha coluna e o meu sacro [osso localizado na base da coluna vertebral]. Tive que fazer uma cirurgia de emergência e depois dessa cirurgia eu perguntei para o meu médico se eu iria voltar a andar, e ele falou que provavelmente não, que eu tinha tido uma fratura muito grave na coluna”, lembra.

Arrasada, a garota que tirava dos desfiles sua alegria e imaginava um futuro na profissão, entrou em depressão. Para piorar, a dependência que tinha para tudo aprofundou ainda mais a sua tristeza. “Eu entrei em depressão porque eu não conseguia pentear o meu cabelo, eu não conseguia por uma roupa bonita, eu não conseguia ser eu mesma e isso afetou muito a minha autoestima eu não tinha vontade de sair da cama. Tudo que eu ia fazer depois do acidente eu dependia de alguém, até para se alimentar, para ir ao banheiro, para tudo. E isso também me deixou muito frustrada porque eu era muito independente. Eu sempre, desde pequena, corri atrás dos meus sonhos, das minha coisas”.  

Karol conta que por cerca de um mês ela não conseguia nem se mexer na cama e como tinha muitas fraturas espalhadas pelo corpo, só podia ser movimentada em bloco para não afetar ainda mais sua recuperação. Mesmo abatida, ela resolveu que não iria desistir. “Eu sempre tive muita fé. Eu pedia todos os dias para Deus não me deixar paraplégica e aos poucos eu fui tendo meus movimentos novamente. Fiquei na cadeira de rodas por um bom tempo, depois passei para as muletas”, explica a modelo que ainda faz fisioterapia 3 vezes na semana.

A miss mesmo durante a sua recuperação decidiu continuar sorrindo. (Foto: Arquivo pessoal)

Mesmo assim em alguns dias a tristeza tomava conta e foi em uma dessas ocasiões que ela viu que sua história poderia ajudar outras pessoas e que ficar remoendo suas dores não ajudaria a ninguém. “Eu fiquei em depressão sem querer sair da cama, dizendo que minha vida tinha acabado, que eu não tinha mais vontade de fazer nada por uns três meses. Aí, eu comecei a me reerguer porque eu recebia muitas mensagens de apoio e de pessoas falando ‘Karol, mesmo passando por tudo isso o seu sorriso não sai do rosto’ e isso começou me dar vontade de querer continuar para conseguir inspirar a vida de outras pessoas, porque tinha muita gente que acreditava em mim e eu queria mostrar que por mais difícil que estava a situação eu nunca tinha perdido a fé em Deus”, declara otimista.

O desfile

Depois de muita luta, Karol voltou a andar, mas como ela mesmo conta, algumas coisas não voltaram a ser como eram antes do acidente. “Eu fiquei com sequelas, hoje em dia eu não posso mais andar normalmente, não consigo mais por um salto, não consigo mais ter a vida que eu tinha antes, eu tenho sempre que estar com alguém. Eu não tenho mais uma vida normal, mas eu tenho vontade de viver e eu tenho vontade de através da minha história mudar a vida de outra pessoas pra elas nunca desistirem dos seu sonhos e por mais difícil que esteja a situação sempre crer em Deus. Porque Deus é um Deus do impossível porque mesmo com a notícia que eu não poderia voltar a andar, Deus falou ‘não, a última palavra é a minha’. E hoje graças a Deus eu consigo levantar, eu consigo andar, por mais que não ande normalmente, eu consigo fazer algumas coisas que eu fazia antes”.

É por tudo isso que o desfile de domingo é tão importante para Karol e para outras modelos que também irão entrar na passarela. Segundo a assessoria do estilista Edson Eddel, o evento contará com várias modelos que tiveram suas carreiras interrompidas por acidentes ou doenças e também irá enaltecer modelos negras. “É um desfile de superação e empoderamento”, disse Telma Forlepa.

A modelo Amanda Lugli Luciano que sofreu um acidente de moto também irá desfilar. (Foto: Divulgação)

“Isso vai ser muito emocionante para mim porque eu perdi muitos contratos com empresas depois do acidente. Eles cancelaram contratos, pegaram outras modelos, isso também foi um dos motivos pelo qual eu me deixei abater muito”, finaliza Karol que subirá pela primeira vez nas passarelas após o acidente automobilístico. 

Serviço:

O desfile acontecerá neste domingo (17) às 17h no Espaço Sofistic, na Avenida Presidente Kennedy, nº 1668, no bairro Rebouças, em Curitiba.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.