Notícias

“Era um pai pra ela”, diz mãe de menina morta pelo padrasto em Londrina

Sara foi encontrada seminua e com marcas de esganadura; a menina foi morta pelo padrasto no sábado (20)

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
“Era um pai pra ela”, diz mãe de menina morta pelo padrasto em Londrina
A menina foi morta pelo padrasto após ser estuprada. (Foto: Montagem/RIC Mais)

23 de julho de 2019 - 00:00 - Atualizado em 1 de julho de 2020 - 15:55

A mãe da menina morta pelo padrasto em Londrina, no norte do Paraná, conversou, nesta terça-feira (23), com a RICTV Londrina | Record TV sobre o assassinato de Sara Manueli Silva, de 9 anos. A mulher, que não quis se identificar, teve dois filhos com Sandro de Jesus Machado, de 26 anos, uma outra menina de 5 anos e um menino de 6 meses. (Assista à íntegra abaixo)  

Conforme contou, o marido, que está preso preventivamente, nunca deu sinais de que poderia vir a estuprar e matar a enteada. “Ele sempre foi um marido muito normal. Era um pai pra ela, o que ele dava para a dele, ele dava pra ela. Se ele não dava pra ela, ele não dava pra outra. Tratava normal”, disse a mãe de criança morta pelo padrasto

Menina morta pelo padrasto foi ajudar buscar vasilhames 

Na noite de sexta-feira (19), que antecedeu o crime, o casal e os três filhos participaram de um churrasco na casa de familiares.“Ele, na sexta-feira, tava num churrasco na casa do primo e, nesse meio, ele ficou por lá e nós veio embora pra casa. Aí, ele foi em casa, tomou banho, eu assustei, 3h da manhã, fechei a porta. Aí, quando foi nas 6h ele voltou, aí deitou na cama, dormiu um pouco e quando foi 9h, ele me chamou e falou que ia fazer um churrasco e chamou ela pra ir buscar uns vasilhames no fundo de vale, que foi o caminho que ele levou ela”, lembrou a mãe.

A criança que foi morta pelo padrasto nunca reclamou do comportamento dele. (Foto: Reprodução/RICTV)

Ainda segunda a mulher, enquanto o padrasto saiu com a criança, ela aproveitou para ir até a farmácia e comprar uma pomada para o bebê, mas logo veio a notícia do desaparecimento da filha. “Eu subi para buscar uma pomada pra o menino e desci na direção pra ver se encontrada os dois, e dei de cara com ele, que já vinha de casa tomado banho. E eu perguntei pra ele ‘Cadê a Sara?’ e ele falou ‘Que ela tava assistindo e quando eu saí do banheiro, ela já não estava mais’. Eu pensei que tinha sido alguém que raptou.”

Padrasto mentiu o tempo todo sobre enteada 

De acordo com o relato, o padrasto que estuprou e matou a enteada esteve o tempo todo ao lado da esposa mentindo sobre o paradeiro da criança. “Aí, começou a agonia, chegou a tarde e ela não aparecia, e ela nunca foi de fazer isso. E ele falava pra mim que era pra mim ter calma, que ela ia aparecer. Sempre do meu lado falando”. 

A mãe de Sara também pontuou que alguns familiares e amigos chegaram a perceber a frieza de Sandro, mas ela só passou a desconfiar realmente do marido depois de conversar com alguns vizinhos e ver que os relatos não batiam. “Eu comecei a desconfiar, peguei o menino 12h da noite e desci pro fundo de vale, porque achei estranho. Uma hora da manhã a gente tava procurando”, lembrou. 

A mulher também contou que ela encontrou as roupas do marido sujas de sangue e guardou as vestimentas para entregar para a polícia. Além de ter fotografado o banheiro da residência que também apresentava manchas de sangue. 

Corpo de Sara é encontrado seminu

“Na hora que o policial chegou, que os menino falou pra ele que tinham achado a menina, ele só olhou e falou ‘Achou?’ e o menino disse ‘Achou, só que foi você que matou porque ela tá morta’, aí, ele falou ‘Não foi eu’, lembra revoltada. “Eu nunca ia imaginar que ia acontecer com um filho meu. A minha filha não volta mais e eu só culpo ele. Eu não vou defender ele”, declarou em relação ao marido. 

Criança morta pelo padrasto adorava dançar 

Chorando, a mãe lembra como a filha gostava de dançar e de assistir desenhos animados. “A Sara gostava muito de ficar dançando dentro de casa, junto com a pequena, ela ensinava a pequena a dançar. Ela era alegre, conversava com todo mundo, todo mundo gostava dela, era muito meigo o jeito dela. Eu deito e pra mim ela tá perto de mim, que é onde ela ficava, eu botei até uma televisão que ela gostava de assistir desenho. Eu só espero que a justiça seja feita”, finalizou.

Assista à entrevista completa:

A menina foi morta pelo padrasto após ser estuprada em uma área de mata próxima a casa da família.

Entenda o caso

O crime aconteceu na manhã de sábado (20), antes que corpo de Sara fosse descoberto, vários grupos de busca tentaram encontrá-la na região. Além de mentir sobre o que havia ocorrido com a enteada, o homem também registrou um boletim de ocorrência, por desaparecimento, falso.

Segundo o Instituto de Criminalística, a criança foi encontrada, no domingo (21), em um fundo de vale. Ela trajava apenas uma blusa, estava nua da cintura para baixo, apresentava diversas marcas de violência, além de muitas lesões na região do pescoço e segurava uma nota de R$ 5 reais em uma das mãos. 

Sandro foi preso pouco depois da enteada ser localizada sem vida. Na segunda-feira (22), ele confessou ter assassinado a enteada após estuprá-la. Conforme seu depoimento, depois do abuso sexual, ele ofereceu os R$ 5 para que ela não contasse a ninguém. No entanto, diante da negativa da menina, ele resolveu matá-la esganada. 

A Polícia Civil aguarda pelos laudos que deverão confirmar o estupro e a causa mortis.