Notícias

Homem que matou primo por causa de aposta de sinuca é preso em Curitiba

A vítima foi morta com dezenas de facadas ao lado da mesa de sinuca; a aposta valia duas cervejas

Caroline
Caroline Berticelli / Editora

9 de dezembro de 2019 - 00:00 - Atualizado em 1 de julho de 2020 - 15:05

Um homem de 36 anos que matou o próprio primo após perder uma aposta em um jogo de sinuca, que valia duas cervejas, foi preso após se entregar à polícia na última sexta-feira (6) em Curitiba. 

Segundo o delegado Tito Lívio Barichello, o crime ocorreu em um bar localizado em Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba, no dia 9 de outubro deste ano. Deste então, o suspeito estava foragido. 

A investigação ficou a cargo da Polícia Civil da capital porque após ser gravemente ferido Niu Aurélio Edling Amaral, de 35 anos, foi encaminhado ao Hospital Cajuru, em Curitiba, onde acabou morrendo horas depois. “É um caso gravíssimo, nós tomamos ciência desse fato porque o crime se consumou em Curitiba, no Hospital Cajuru, quando a vítima teve a vida subtraída”, explicou Barichello. 

Matou o primo a facadas para não pagar duas cervejas

De acordo com o delegado, o autor do crime matou a vítima com várias facadas.“A vítima Nil ganhou, na mesa de sinuca, uma aposta de duas cervejas do autor. Que saiu para fora e voltou armado com uma faca e matou o próprio primo. Foram dezenas de facadas, mostrando a vontade inequívoca de matar, de subtrair a vida”, pontuou Barichello. 

“É um crime hediondo, duplamente qualificado por motivo fútil e pelo motivo da traição”, disse o delegado. 

Após cometer o assassinato, o rapaz fugiu e era procurado. Em mensagens de áudio, enviadas por aplicativo e obtidas pela polícia, ele chegou a confessar que havia matado alguém. “Tô aqui na frente, deixa eu entrar ai, pia, o piazão lá morreu, deixa eu fugir. O piá, aconteceu um B.O no bar aqui, meti o loco no cara aqui, daí tive que dar um perdidão, mas tô em casa, amanhã, eu vou trabalhar, firmeza”, disse o suspeito. 

Na delegacia, diante das provas, o suspeito confessou o crime. Ele foi indiciado por  homicídio duplamente qualificado por motivo fútil e traição, e permanece detido temporariamente por 30 dias. 

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.