Notícias

Maringaense sócio da revista Playboy é afastado após acusação de assédio

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

24 de abril de 2017 - 00:00 - Atualizado em 24 de abril de 2017 - 00:00

Luh Ferreira, capa da Playboy de dezembro , e André Sanseverino. (Reprodução: Facebook)

Oito modelos acusaram o sócio e fotógrafo da revista de realizar ‘propostas indecentes’ em troca de trabalho

Em resposta a uma reportagem veiculada nacionalmente neste domingo (23), a PBB Entertainment, empresa responsável pela revista Playboy, anunciou o afastamento do sócio André Luiz Sanseverino pelas acusações de assédio sexual.

Segundo a reportagem, oito modelos foram contratadas para participar como recepcionistas de um evento da revista vestidas de coelhinhas, o animal símbolo da publicação. André e outro sócio, Marcos Aurélio de Abreu Rodrigues Silva, foram acusados de prometer trabalhos como modelos e atrizes para as garotas em troca de favores sexuais e da realização de ensaios de nudez.

As vítimas relataram que as propostas surgiram através de contato pelo aplicativo Whatsapp, no qual elas eram solicitadas a enviarem fotos nuas. Sanseverino alegava que, caso as modelos não cumprissem à risca os pedidos, não seriam contratadas. Ao ser procurado para comentar o assunto, Sanseverino disse que as propostas eram feitas com o intuito de testar as jovens. Se aceitassem os pedidos, elas seriam automaticamente dispensadas, ele garantiu.

Ao ser informado de que a versão das modelos era contrária à sua explicação, ele não se manifestou a respeito.

Em nota oficial publicada nesta segunda (24), a PBB Entertainment informou que afastou André por prazo indeterminado da empresa e que as atitudes dele “não correspondem aos valores da publicação”. 

Confira a nota.

A PLAYBOY BRASIL declara que repudia toda forma de desrespeito contra a mulher.

Informamos que decidimos pelo total afastamento do sócio André Sanseverino, por prazo indeterminado, de quaisquer atividades relacionadas à PLAYBOY.

Assim, qualquer declaração dada por André Sanseverino não reflete em absolutamente nada os valores da PLAYBOY. O mesmo encontra-se afastado da empresa e não responde mais pela mesma.

Acreditamos de forma franca e honesta que ele deverá colaborar para elucidar os fatos até que as denúncias sejam apuradas.

A PLAYBOY, ao longo de sua história, vem coadjuvando em defesa e em busca da liberdade e empoderamento das mulheres, não somente no Brasil, mas em todo o mundo. E não será diferente neste momento.”

Atenciosamente,
PBB EDITORA S.A

Leia mais
Curitiba registra 10 casos de abusos em ônibus nos primeiros meses do ano
Cantadas a mulheres poderão gerar multa em Curitiba