Notícias

“Greve continua”, manifestantes prometem passar a noite na Assembleia

Pessoas ficaram feridas durante protestos desta tarde

Guilherme
Guilherme Becker / Editor

3 de dezembro de 2019 - 00:00 - Atualizado em 1 de julho de 2020 - 15:11

Após um dia tenso de protestos na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), os servidores estaduais prometem passar a noite no local e também em barracas em frente a sede do governo estadual. Os manifestantes são contra a PEC que prevê mudanças na aposentadoria dos servidores. Durante as manifestações desta terça-feira (3), uma porta da Alep foi quebrada, grades foram arrancadas e a votação foi interrompida.

Por meio de nota a APP-Sindicato informou que a greve continuará nesta quarta-feira (4) e os protestos em frente ao governo também. Os representantes da categoria também informaram que mais servidores estão chegando para as manifestações.

Greve e protestos continuam

Esta quarta-feira (4) deve ser mais um dia marcado por protestos em frente a sede do governo estadual, em Curitiba. Os manifestantes montaram barracas e, segundo a APP-Sindicato, devem passar a noite no local. Foi informado que mais de 50 ônibus vieram do interior para a capital.

“O Paraná não tem necessidade de aprovar esse projeto neste momento e sem conversar com a categoria. Vários estados também estão discutindo esse tema, mas em diálogo com seus servidores. Já aqui, Ratinho Junior, que se elegeu prometendo diálogo, quer alterar nossa aposentadoria com um tratoraço, sem nenhum respeito com o servidor público”, disse a secretária Geral da APP-Sindicato, Vanda do Pilar Santana.

Durante os atos desta terça-feira (3) pelo menos dois professores da rede pública ficaram feridos. Uma das vítimas foi identificada como uma servidora da cidade de Santa Tereza do Oeste. A mulher estava com um corte na cabeça e com bastante manchas de sangue pela roupa. Apesar das ocorrências, a Polícia Militar (PM) informou que não houveram feridos durante a operação.

APP-Sindicato garante greve

Em nota, divulgada no site da APP-Sindicato, os representantes da categoria informaram o que aconteceu nesta terça-feira (3) durante a votação no plenário e também sobre as expectativas para esta quarta-feira (4).

Confira a nota na íntegra:

“Servidores(as) públicos(as) em greve ocuparam o prédio da Assembleia Legislativa (Alep) na tarde desta terça-feira (3) em protesto contra a reforma da Previdência do serviço público estadual apresentada pelo governo Ratinho Júnior. A Polícia Militar tentou impedir o acesso ao prédio, mas os(as) funcionários(as) conseguiram furar o bloqueio para exercer o direito de acompanhar a reunião dos(as) deputados(as) estaduais. Com a pressão das galerias, lotadas, o presidente da Alep encerrou a sessão.

Em seguida, a APP-Sindicato realizou uma assembleia na Praça em frente ao Palácio Iguaçu. Professores(as) e funcionários(as) de escola aprovaram, por unanimidade, a continuidade da categoria na greve e o estado de assembleia permanente. O funcionalismo exige a retirada dos projetos que alteram as regras da aposentadoria e montou um acampamento em frente a sede do governo para cobrar a abertura de mesa de negociação.

“O Paraná não tem necessidade de aprovar esse projeto neste momento e sem conversar com a categoria. Vários estados também estão discutindo esse tema, mas em diálogo com seus servidores. Já aqui, Ratinho Junior, que se elegeu prometendo diálogo, quer alterar nossa aposentadoria com um tratoraço, sem nenhum respeito com o servidor público”, disse a secretária Geral da APP-Sindicato, Vanda do Pilar Santana.

Os(as) trabalhadores(as) estão em greve desde segunda-feira (2) e mais de 50 ônibus do interior vieram à capital nesta terça. Levantamento do Sindicato indica que cerca de 80% das escolas estaduais aderiram ao movimento. Nesta quarta-feira (4) está confirmada a chegada de novas caravanas. A concentração em frente ao prédio da Alep está marcada para 8h e uma nova assembleia da APP-Sindicato será realizada no final do dia para avaliar o movimento.

Pela proposta, Ratinho Junior quer subir de 11% para 14% a alíquota de contribuição e aumentar a idade mínima de 65 anos para homens e de 62 anos para mulheres se aposentarem. “Os mais baixos salários são os que mais irão ter desconto e ainda terão que trabalhar mais. Até dos aposentados o governador quer cobrar contribuição”, denuncia o presidente da APP-Sindicato, professor Hermes Silva Leão.

Os(as) educadores(as) também exigem a manutenção do Ensino Médio noturno e da Educação de Jovens e Adultos (EJA). Em recente comunicado, a Secretaria de Educação anunciou o fechamento de turmas dessas modalidades em todo o estado.”

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.