Guilherme
Guilherme Becker / Editor com informações do repórter Nader Khalil da RIC Record TV, Curitiba

24 de janeiro de 2020 - 00:00

Atualizado em 1 de julho de 2020 - 14:54

Notícias

Mãe de Layane comenta sobre possível tentativa de estupro contra filha “tem que criar bicho na cadeia”

Depoimento de testemunha revelou que possivelmente Miguel não agiu sozinho

Mãe de Layane comenta sobre possível tentativa de estupro contra filha “tem que criar bicho na cadeia”
(FOTO: REPRODUÇÃO/ RIC RECORD TV)

Um novo depoimento, de uma testemunha que não será identificada, sobre o caso Layane, revelou uma versão diferente da apresentada por Miguel Angelo Duarte, que confessou o assassinato da vítima. A jovem de 19 anos foi encontrada morta, sem roupa em uma área de mata em São José dos Pinhais, na última segunda-feira (20). Ao saber dos novos detalhes nesta sexta-feira (24) os familiares da vítima ficaram ainda mais revoltados.

A mãe de Layane, Inês, conversou com o repórter Nader Khalil durante o Cidade Alerta Paraná desta sexta-feira (24). Indignada com as novas possibilidades do crime, que pode contar com a participação de mais uma pessoa e uma tentativa de estupro, a mulher mostrou revolta, “tem que criar bicho na cadeia”.

“Sozinha ela conseguiria escapar”

A mãe de Layane afirmou acreditar que Miguel não agiu sozinho, apesar dele garantir nos dois depoimentos que praticou o homicídio sem ajuda de ninguém. Para ela, se a filha estivesse com apenas um homem a jovem teria conseguido fugir, “sozinha ela conseguiria escapar”.

No novo depoimento apresentado a Polícia Civil, a testemunha revelou que houve tentativa de estupro, cometida por duas pessoas. O possível crime choca ainda mais os familiares da vítima. A mãe de Layane revelou que acredita que tenha sido alguém próximo a Miguel que cometeu o crime junto

O crime

A jovem não foi mais vista desde a noite de sábado (18) e seu corpo foi localizado no início da manhã de segunda-feira (20). em uma área de mata no bairro Afonso Pena, em São José dos Pinhais, na Grande Curitiba.

Segundo a Polícia Militar, quando foi encontrada, Layane vestia apenas um sutiã, apresentava várias queimaduras, principalmente na barriga e nos braços e tinha a vários ferimentos na cabeça. “As roupas estavam longe do corpo, tinha um óculos de grau de cor rosa, uma corrente também e o corpo estava seminu, a uma distância de mais ou menos uns 10 metros do local onde estavam essas roupas”, contou o tenente Reginaldo Cason, da Polícia Militar.

caso-layane
FOTO: REPRODUÇÃO/FACEBOOK LAYANE CZERVINSKI

A Polícia Civil chegou até Miguel depois que teve acesso a mensagens trocadas por ele e a vítima em uma rede social. Na conversa, os dois marcavam de se encontrar, entre o fim da noite de sábado e início da madrugada de domingo (19), nas proximidades da área de mata onde o corpo foi localizado.

Os resultados de cinco laudos, esperados pela polícia, irão comprovar se Layane sofreu violência sexual e indicar a causa mortis