Notícias

Macron anuncia toque de recolher noturno na França para combater Covid-19

Reuters
Reuters
Macron anuncia toque de recolher noturno na França para combater Covid-19
Presidente francês, Emmanuel Macron, é visto em televisores durante entrevista à TV estatal para anunciar medidas de combate à Covid-19

14 de outubro de 2020 - 17:13 - Atualizado em 14 de outubro de 2020 - 17:15

Por Benoit Van Overstraeten e Christian Lowe

PARIS (Reuters) – A França irá impor um toque de recolher noturno a quase um terço da população de 67 milhões de pessoas para combater um ressurgimento do coronavírus, embora um novo lockdown nacional não esteja previsto, disse o presidente Emmanuel Macron nesta quarta-feira.

Macron anunciou o toque de recolher, que entrará em vigor a partir de sábado e ocorrerá todas as noites a partir das 21h até as 6h da manhã seguinte, logo após o governo declarar um novo estado de emergência de saúde pública. As restrições vão durar, pelo menos, quatro semanas.

O presidente disse que o toque de recolher será imposto na regiões da Grande Paris, Marselha, Toulouse, Montpellier e cinco outras cidades.

“Estamos em uma segunda onda”, disse Macron em entrevista à rede nacional de televisão. “Temos que reagir.”

A França, como outros países europeus, está lutando para desacelerar a propagação do vírus e aliviar a pressão sobre um sistema de saúde mais uma vez sobrecarregado, enquanto mantém sua economia de 2,3 trilhões de euros aberta e protegendo empregos.

Nesta quarta-feira, o país registrou 22.591 novos casos de coronavírus, o terceiro dia em seis na qual a contagem diária ultrapassou a marca de 20.000. O vírus já matou mais de 32.000 pessoas no país.

Macron disse que a França não perdeu o controle do vírus, mas acrescentou: “Estamos em uma situação preocupante”.

As populações sob o toque de recolher noturno não poderão ir a restaurantes ou a casas de amigos à noite, embora deslocamentos essenciais durante o período ainda sejam permitidos, disse Macron.

Qualquer pessoa que viole o toque de recolher será multada em 135 euros.

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEG9D1RA-BASEIMAGE