Notícias

Lula discursa em ato com 5 mil, para a PM, e 50 mil, para Gleisi Hoffmann

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

10 de maio de 2017 - 00:00 - Atualizado em 10 de maio de 2017 - 00:00

Lula reafirmou, na noite desta quarta-feira, 10, o desejo de ser candidato à Presidência da República (Foto: Rodrigo Félix Leal, Futura Press, Estadão Conteúdo)

O ex-presidente esbravejou não querer ser julgado ‘apenas pela Justiça, mas também nas urnas’

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva reafirmou na noite desta quarta-feira (10) o desejo de ser candidato à Presidência da República e que acredita que o julgamento dele não deve ser feito somente pela Justiça, mas também nas urnas.

“Eu não quero ser apenas julgado pela Justiça. Quero antes ser julgado pelo povo brasileiro”, esbravejou o ex-presidente, em ato favorável a ele realizado na praça Santos Andrade, no Centro de Curitiba. “Não quero ser julgado por convicções, mas por provas.”

Segundo a Polícia Militar do Paraná, o ato reuniu cinco mil manifestantes. A senadora Gleisi Hoffmann falou em 50 mil pessoas presentes.

Lula participou do protesto logo após o depoimento ao juiz Sergio Moro, da Operação Lava Jato. A suspeita é que o petista seja o verdadeiro dono do tríplex do Guarujá (SP). Os questionamentos ao ex-presidente duraram cerca de cinco horas.

No palco, o ex-presidente também deu a sua versão para o depoimento. De acordo com Lula, ele esperava que “acusadores mostrassem algum documento de que eu seria o dono do apartamento”. “Mas eles perguntaram se eu conheço (Candido) Vaccari e Paulo Okamotto, e não tenho vergonha deles”, afirmou.

Veja também
Confira na íntegra o depoimento de Lula a Sérgio Moro
Manifestantes são colocados em ‘lugares trocados’ em Curitiba

A ex-presidente Dilma também subiu ao palco em que Lula discursou.

“Nem na ditadura militar ousaram tirar o direito dos trabalhadores. Estão produzindo um retrocesso na previdência”, discursou a ex-presidente. Em momento mais populista, Dilma disse que o atual governo quer acabar com a Petrobras e “vender empresas brasileiras a preço de banana a estrangeiros”. 

Lula retomou o microfone, mas um foguetório adiou sua fala. Finalmente, agradeceu à militância, citando diversos ônibus que teriam vindo do Norte a Curitiba.
 
“Hoje eu disse no meu depoimento que só o Jornal Nacional nestes últimos 12 meses publicou 18 horas de matérias negativas contra o Lula. Significa 12 partidas entre Real Madrid e Barcelona na tentativa de que eu seja massacrado antes do dia em que eu seja julgado”, discursou o ex-presidente. 

Ele disse, ainda, que não seria digno de discursar se “tivesse alguma culpa”. “Se for para eu mentir algum dia, quero que um ônibus me atropele”, afirmou.

Confira o que aconteceu em Curitiba no dia do depoimento do ex-presidente Lula ao juiz Sérgio Moro!

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.