Notícias

Lira se reúne com Fux nesta 2ª para discutir liminar que suspendeu emendas de relator

Reuters
Reuters
Lira se reúne com Fux nesta 2ª para discutir liminar que suspendeu emendas de relator
Presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, durante sessão da Casa

8 de novembro de 2021 - 11:04 - Atualizado em 8 de novembro de 2021 - 11:05

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) – O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), vai se reunir nesta segunda-feira às 17h com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, para conversar sobre a liminar da ministra Rosa Weber que suspendeu na sexta-feira passada a execução orçamentária das emendas de relator, informou a assessoria de Fux.

A liminar de Rosa Weber, concedida na sexta-feira passada, está no centro da polêmica com parlamentares por ter impedido o uso do instrumento de distribuição de recursos que ficou conhecido como “orçamento secreto” diante da dificuldade de rastrear os beneficiários dos repasses.

O STF decidiu julgar, em sessão virtual extraordinária entre terça e quarta-feira, a liminar da ministra Rosa Weber que suspendeu o pagamento das emendas de relator.

A apreciação do caso está marcada para começar à 0h de terça e seguir até 23h59 de quarta. Os ministros teriam 48 horas para dar seus votos de forma remota.

Uma fonte do STF disse que há a possibilidade de que o caso viesse a ser analisado pelo plenário presencial. O colegiado só se reúne presencialmente às quartas e quintas-feiras e, para isso ocorrer, algum ministro teria de pedir destaque para retirar o caso do plenário virtual.

A decisão de Rosa Weber, que gerou críticas de parlamentares, ocorre em meio às negociações para votação do segundo turno da proposta de emenda à Constituição (PEC) que altera as regras de pagamento dos precatórios e faz alterações no teto de gastos e é encarada como prioritária pelo governo por permitir a abertura de espaço fiscal de mais de 80 bilhões de reais.

O governo do presidente Jair Bolsonaro espera a aprovação dessa PEC pelo Congresso para viabilizar o Auxílio Brasil, programa social que substitui o Bolsa Família que, somado ao benefício temporário, permitirá que sejam oferecidos ao menos 400 reais a famílias de baixa renda até o final de 2022, ano eleitoral em que Bolsonaro deverá tentar a reeleição.

Lideranças de oposição acusam o governo de se valer do empenho –compromisso de pagar– dessas emendas de relator para garantir votos, inclusive entre os próprios oposicionistas, para aprovar a PEC.

Mais cedo, o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), garantiu que a votação do segundo turno da PEC dos Precatórios ocorrerá nesta terça-feira e disse que ela será aprovada.

“Nós vamos votar de qualquer forma, estamos mobilizando os parlamentares, porque nós temos um prazo para aprovar no Senado e implementar a medida. Então, não estamos podendo escolher o dia com mais ou menos quórum. Vai ser amanhã a votação, os parlamentares estão convocados e vamos aprovar a PEC dos Precatórios amanhã”, disse Barros em entrevista à GloboNews.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEHA70S4-BASEIMAGE