Notícias

Lira convoca reuniões na Câmara para discutir prisão de deputado

Reuters
Reuters
Lira convoca reuniões na Câmara para discutir prisão de deputado
Presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, em Brasília

17 de fevereiro de 2021 - 10:24 - Atualizado em 17 de fevereiro de 2021 - 10:25

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) – O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), anunciou em uma rede social ter convocado reuniões nesta quarta-feira no início da tarde para tratar da prisão do deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), determinada na noite de terça-feira pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes após ele ter gravado e divulgado um vídeo com ofensas a ministros da corte, defendendo a destituição deles.

“Convoquei reunião extraordinária da Mesa para as 13h e na sequência, Colégio de Líderes. Vamos, em conjunto, avaliar e discutir a prisão do deputado Daniel Silveira”, disse Lira na manhã de quarta no Twitter. O encontro será virtual.

O presidente do Supremo, Luiz Fux, também incluiu o caso do parlamentar como primeiro item da pauta do plenário nesta tarde. A tendência é que a detenção dele determinada por Moraes seja confirmada por unanimidade ou ampla maioria no Supremo, segundo fontes do tribunal relataram à Reuters.

Silveira, que está preso na Polícia Federal do Rio de Janeiro, é um aliado do presidente Jair Bolsonaro no Congresso. Ele é conhecido por discursos inflamados contra o STF. Até o momento, nenhuma autoridade do governo se pronunciou sobre o caso.

Entre os deputados, inclusive integrantes da Mesa Diretora da Câmara, pelas manifestações públicas até agora, a maioria tem sido crítica ao que Silveira fez.

“Parece-me incontestável que o deputado Daniel Silveira cometeu os crimes previstos nos artigos 22 e 23 da Lei de Segurança Nacional. Conduta muito grave porque atentatória à ordem democrática e à independência dos Poderes. Cabe ao STF e à Câmara decidir, dentro da CF (Constituição Federal), a punição”, disse no Twitter o deputado Marcelo Ramos (PL-AM), que é o primeiro vice-presidente da Câmara.

O presidente do PSL e primeiro-secretário da Câmara, Luciano Bivar (PE), divulgou nota em que repudiou os ataques do parlamentar a ministros do STF.

“Os ataques, especialmente da maneira como foram feitos, são inaceitáveis. Esta atitude não pode e jamais será confundida com liberdade de expressão, uma conquista tão duramente obtida pelos brasileiros e que deve estar no cerne de todo o debate nacional”, disse Bivar.

O presidente do PSL disse que o partido está tomando todas as medidas judiciais cabíveis para o “afastamento definitivo” do deputado da legenda.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH1G108-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.