Notícias

Confira a linha do tempo de crimes do assassino de Rachel Genofre

Mirian
Mirian Villa
Confira a linha do tempo de crimes do assassino de Rachel Genofre
Carlos Eduardo está preso desde 2016 por estelionato e estupro

23 de setembro de 2019 - 00:00 - Atualizado em 23 de setembro de 2019 - 00:00

Uma equipe da RIC Record TV viajou até São Paulo para traçar o perfil de Carlos Eduardo dos Santos, suspeito de matar e estuprar Rachel Genofre em novembro de 2008. O homem está preso na Penitenciária II de Sorocaba (SP) e tem extensa ficha criminal. (Assista reportagem completa abaixo sobre o caso)

1988: ainda adolescente, homem respondia por estupro

Uma linha do tempo elaborada pelas polícias do Paraná e de São Paulo mostra que ainda adolescente, com 16 anos, em 1988, o assassino de Rachel respondia a quatro inquéritos.

  • roubo e estupro em São Vicente;
  • furto e o segundo estupro, em São Vicente;
  • roubo em São Vicente;
  • estelionato em Santos;

2002: vítima relata estupro cometido por assassino de Rachel Genofre

Em 2002, já com 30 anos, Carlos Eduardo dos Santos voltou a praticar crimes de estupro. Uma das vítimas, hoje com 26 anos, na época tinha nove anos, mesma idade que Rachel Genofre.

“Ele puxou um canivete e me ameaçou. Disse que se eu não fizesse tudo que ele quisesse, ele iria me matar e matar a minha família.”

A vítima falou sobre o caso pela primeira vez com a condição de não ser identificada. De família humilde, a então menina vendia balas de gomas em sinaleiros no centro de Campinas. “Eu colecionava cartão de orelhão…aí cheguei nele e disse: ‘moço, quando você terminar de usar o cartão, você pode me dar?’ e ele disse que me dava.”

Então, Carlos Eduardo dos Santos disse que dava o cartão desde que ela fizesse um favor para ele. Com a desculpa de ter esquecido a chave dentro de casa, ele pediu para a criança pular a janela dizendo que iria dar brinquedos para ela como agradecimento.

Como o crime não foi planejado, o assassino de Rachel estava sem carro e seguiu com a criança de ônibus até a sua casa.

“Dentro do ônibus, entrou uma mulher e ele disse para eu dar o lugar para ela e sentar no colo dele. Eu sentei…Ai foi nessa hora que eu percebi que ele não estava apenas com a intenção da ajuda.”

Relembrando os momentos de terror, a menina disse que a todo momento o suspeito ameaçava ela e a família com um canivete no pescoço. “Eu pensava: ‘Deus, não deixa acontecer nada com a minha família, não me deixa morrer.'”

“Ele ficava falando ‘eu matei uma menina de nove anos, se você não fazer tudo o que eu quiser, eu vou matar você e sua família”, lembra.

A mulher ainda relembrou o dia que ela ajudou a colocar Carlos Eduardo dos Santos atrás das grades. Ela e seu pai estavam em um ônibus do transporte coletivo quando encontraram o suspeito. “Eu falei: ‘pai, é esse homem’. Ai os policiais cercaram o ônibus, meu pai bateu nele, e pegaram ele e levaram para a delegacia.”

2008: Rachel Genofre é encontrada em mala

Carlos Eduardo dos Santos trabalhava como porteiro, em São José dos Pinhais, e morava em uma kitnet próxima da escola onde Rachel Genofre estudava. A criança desapareceu no dia 03 de novembro de 2008, depois de sair da escola.

O corpo foi encontrado dois dias depois, na madrugada do dia 05 de novembro, dentro de uma mala, embaixo de uma escada na Rodoferroviária de Curitiba. O laudo do Instituto Médico Legal (IML) confirmou que Rachel foi estuprada, agredida, queimada com cigarro e morta por asfixia.

Depois do assassinato de Rachel Genofre, o homem praticou outros crimes.

Até ser preso, Carlos Eduardo dos Santos cometeu estelionatos
  • 2011: três estelionatos em Poá, Itaquaquecetuba e Criciúma;
  • 2012: dois estelionatos em Iaras e Santa Catarina;
  • 2015: dois estelionatos em Suzano;
  • 2016: quatro estelionatos em Suzano, Poá e Mogi das Cruzes;

Segundo a polícia, além de Rachel Genofre, o homem cometeu outros quatro estupros. A lista pode aumentar depois da repercussão da foto do suspeito. A polícia do Paraná pediu para a Justiça de São Paulo a vinda dele para o Estado, para prestar depoimento sobre o caso.

Veja o vídeo:

O Balanço Geral Curitiba deu todos os detalhes sobre os crimes do assassino de Rachel Genofre.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.