Notícias

Líderes marcam reunião para articular resposta a vídeo disparado por Bolsonaro

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

27 de fevereiro de 2020 - 00:00 - Atualizado em 27 de fevereiro de 2020 - 00:00

Líderes na Câmara dos Deputados organizam uma reunião, na próxima terça-feira, 2, às 10 horas, para articular um posicionamento sobre o vídeo compartilhado pelo presidente da República, Jair Bolsonaro. O objetivo do encontro é chegar a uma “resposta institucional dura” sobre a convocação feita por Bolsonaro para ato em sua defesa e contra o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF) no dia 15 de março.

“Isso não é um problema da oposição, é um problema de todos que defendem a democracia. Estamos chamando todos os partidos da Casa, muito além da oposição”, informou a líder da minoria, Jandira Feghali (PCdoB-RJ).

Segundo a deputada, as lideranças da Casa se articulam para realizar um “debate amplo” que conte com a presença de representantes de entidades civis que se posicionaram sobre o assunto, como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e centrais sindicais.

A líder da minoria disse ainda que o presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) “tem todo o conhecimento” sobre a reunião e que a ideia inicial dos parlamentares envolvidos era que ele próprio convocasse o encontro. “Gostaríamos que ele (Maia) e Davi Alcolumbre (presidente do Senado) estivessem na reunião”, afirmou.

Impeachment

O debate de terça também selará as conversas sobre o direcionamento para um possível pedido de impeachment de Bolsonaro, que ainda não é considerado de forma séria pelos parlamentares, segundo Jandira.

Em evento em Madri, nesta quinta-feira, Maia chegou a comentar que o PT e o deputado Alexandre Frota (PSDB-SP) têm o direito de apresentar pedidos de impeachment contra Jair Bolsonaro, se decidirem por tal. “O que eu posso fazer? É um direito deles”, disse Maia.

A bancada petista ainda não tem uma posição sobre o tema. O líder do partido na Câmara, deputado Enio Verri (PT-PR), informou que o grupo se reúne na segunda-feira, à tarde, para discutir uma resposta à atitude do presidente. “Nossa bancada é muito grande, são 54 parlamentares. É claro que tem deputados que defendem que a bancada oriente pelo pedido de impeachment. Mas isso ainda não está no radar do partido e nem da liderança”, explicou.

Para o deputado, um pedido do tipo “não se faz por fazer” e para tal seria preciso ter “base social e amplo apoio político”. “Hoje não temos nada que oriente nessa direção”, destacou.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.