Notícias

Laudos apontam que filho torturou pais antes de matá-los

A polícia ainda investiga a suposta participação de outro indivíduo nos crimes

Laura
Laura Luzzi / Estagiária com informações de Tiago Silva, da RIC Record TV de Curitiba e supervisão de Guilherme Barchik

Em entrevista ao Balanço Geral Curitiba, nesta terça-feira (1), o delegado da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Tito Barichello, afirmou que Sérgio Castorino Júnior, de 43 anos, além de assassinar brutalmente os próprios pais, também os torturou antes da morte.

“[O laudo necroscópico] mostra inúmeras lesões no corpo que trazem de forma inequívoca a intenção de torturar, não só de subtrair a vida”

explica o delegado.

Maria Noilda de Oliveira e Sérgio Castorino da Silva foram encontrados mortos em sua residência no dia 15 de maio, no bairro Cajuru. Quando a Polícia Militar entrou no local, a mãe estava no quarto, com as mãos amarradas para trás e um saco plástico na cabeça, morta há alguns dias, enquanto o corpo do pai foi enterrado na garagem da casa. O filho foi detido na residência e confessou os crimes.

Além dos laudos feitos no local da morte e necrópsia, será realizada hoje (1) a reconstituição do crime. Segundo o delegado, esta é uma etapa importante para gerar o maior cabedal possível de provas, que serão levadas ao Tribunal do Júri.

“A reconstituição é feita para demonstrar todo o “caminho do crime”, desde a cogitação, preparação, execução, até a consumação desse crime grave”

esclarece Barichello

Ainda há a suspeita da participação de um segundo indivíduo, que pode ser o co-autor do crime, ou seja, ter auxiliado diretamente nos assassinatos, ou cúmplice. A investigação tramita em sigilo para que não ocorra interferências que possam atrapalhar o trabalho da Polícia Civil.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.