Notícias

Polícia científica conclui laudo pericial sobre morte de funcionária em supermercado de Araucária

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
Polícia científica conclui laudo pericial sobre morte de funcionária em supermercado de Araucária
(FOTO: REPRODUÇÃO/ RIC RECORD TV)

29 de maio de 2020 - 00:00 - Atualizado em 1 de julho de 2020 - 14:41

O perito criminal, Jerry Cristian Gandin, concluiu nesta semana o laudo pericial do exame em local de morte do caso ocorrido em Araucária, na Região Metropolitana de Curitiba, que terminou com o óbito de Sandra Maria Aparecida Ribeiro. A vítima estava trabalhando no supermercado no momento que foi atingida por um disparo que partiu de uma luta corporal entre um vigilante e um cliente, que não queria utilizar a máscara de proteção.

De acordo com o laudo da Polícia Científica, as imagens das câmeras de segurança do estabelecimento ajudaram a investigação do caso, marcas de tiros foram encontradas em outros objetos do local e no momento que foi atingida, pela interpretação do perito, Sandra Maria estava com o tronco inclinado para frente (como mostra a ilustração abaixo).

laudo pericial sandra maria

(FOTO: REPRODUÇÃO)

Nesta reprodução, um projetil teria atingido a região cervical e saído pela região dorsal da vítima. Um outro disparo teria acertado um totem do estabelecimento, próximo ao balcão de atendimento do cliente.

Defesa da vítima analisa laudo pericial

A defesa que responde pela família de Sandra Maria comentou o resultado do laudo pericial e contou que agora aguarda que o cliente que teria promovido a briga seja levado ao Tribunal do Júri. Danir Garbossa permanece preso e nesta semana um novo pedido de habeas corpus foi negado.

“Esse laudo ele não fala, mas ele demonstra toda a verdade, elimina todas as dúvidas e controvérsias que existiam anteriormente. Com isso, esperamos que o senhor Danir Garbossa venha sentar no Tribunal do Júri e ser devidamente julgado, condenado e ter contra si uma condenação digna de todos os atos de violência, de grosseria e de desrespeito praticados naquela mesma ocasião”, declarou o advogado Igor Ogar.

 

 

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.