Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

29 de maio de 2020 - 00:00

Atualizado em 1 de julho de 2020 - 14:41

Notícias

Polícia científica conclui laudo pericial sobre morte de funcionária em supermercado de Araucária

Polícia científica conclui laudo pericial sobre morte de funcionária em supermercado de Araucária
(FOTO: REPRODUÇÃO/ RIC RECORD TV)

O perito criminal, Jerry Cristian Gandin, concluiu nesta semana o laudo pericial do exame em local de morte do caso ocorrido em Araucária, na Região Metropolitana de Curitiba, que terminou com o óbito de Sandra Maria Aparecida Ribeiro. A vítima estava trabalhando no supermercado no momento que foi atingida por um disparo que partiu de uma luta corporal entre um vigilante e um cliente, que não queria utilizar a máscara de proteção.

De acordo com o laudo da Polícia Científica, as imagens das câmeras de segurança do estabelecimento ajudaram a investigação do caso, marcas de tiros foram encontradas em outros objetos do local e no momento que foi atingida, pela interpretação do perito, Sandra Maria estava com o tronco inclinado para frente (como mostra a ilustração abaixo).

laudo pericial sandra maria

(FOTO: REPRODUÇÃO)

Nesta reprodução, um projetil teria atingido a região cervical e saído pela região dorsal da vítima. Um outro disparo teria acertado um totem do estabelecimento, próximo ao balcão de atendimento do cliente.

Defesa da vítima analisa laudo pericial

A defesa que responde pela família de Sandra Maria comentou o resultado do laudo pericial e contou que agora aguarda que o cliente que teria promovido a briga seja levado ao Tribunal do Júri. Danir Garbossa permanece preso e nesta semana um novo pedido de habeas corpus foi negado.

“Esse laudo ele não fala, mas ele demonstra toda a verdade, elimina todas as dúvidas e controvérsias que existiam anteriormente. Com isso, esperamos que o senhor Danir Garbossa venha sentar no Tribunal do Júri e ser devidamente julgado, condenado e ter contra si uma condenação digna de todos os atos de violência, de grosseria e de desrespeito praticados naquela mesma ocasião”, declarou o advogado Igor Ogar.