Notícias

Kremlin afirma que Putin está pronto para dialogar com os EUA

Reuters
Reuters
Kremlin afirma que Putin está pronto para dialogar com os EUA
Kremlin afirma que Putin está pronto para dialogar com os EUA

24 de janeiro de 2021 - 12:49 - Atualizado em 24 de janeiro de 2021 - 12:50

MOSCOU (Reuters) – A Rússia está pronta para estabelecer diálogo com o novo governo Biden, no qual se espera que as diferenças entre os países venham à tona, disse um porta-voz do Kremlin neste domingo, acrescentando que o presidente Vladimir Putin responderá da mesma forma se os EUA concordarem em conversar.

As relações entre Moscou e Washington estão em seu nível mais distante desde o fim da Guerra Fria, com os dois lados em desacordo sobre o papel da Rússia na Ucrânia e alegações de intromissão russa nas eleições dos EUA, o que Moscou nega, entre outras questões.

Os Estados Unidos também pediram às autoridades russas no sábado que libertem os manifestantes e jornalistas detidos em manifestações de apoio ao crítico do Kremlin Alexei Navalny, e condenaram o que consideram “táticas duras” usadas contra eles.

A polícia deteve mais de 3.000 pessoas e usou a força para dissolver manifestações em toda a Rússia, depois que dezenas de milhares de pessoas enfrentaram o frio intenso para se juntar aos protestos em apoio a Navalny.

“Claro, contamos com o sucesso no estabelecimento de um diálogo”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, segundo a agência de notícias Interfax.

“Este será o diálogo onde, é claro, as diferenças terão que ser expressas em maior grau, os pontos de divergências. Mas, ao mesmo tempo, o diálogo é uma possibilidade de encontrar alguns núcleos racionais, pequenas partes onde as nossas relações podem se aproximar”, disse ele.

“E se o atual governo dos EUA estiver pronto para tal, não tenho dúvidas de que nosso presidente responderá da mesma forma.”

Putin foi um dos últimos líderes globais a parabenizar Joe Biden por sua vitória na eleição presidencial dos Estados Unidos após a eleição de 3 de novembro.

Uma das questões complicadas a serem resolvidas pelas duas potências nucleares é o tratado de controle de armas, conhecido como New START, que expira em 5 de fevereiro.

A Casa Branca disse na semana passada que Biden buscaria a prorrogação de cinco anos para o acordo, enquanto o Kremlin solicita propostas concretas de Washington.

Peskov também parecia estar usando um tom mais conciliatório neste domingo do que o Ministério das Relações Exteriores russo, que um dia antes descreveu o apoio público de Washington aos manifestantes anti-Kremlin como uma intromissão nos assuntos internos da Rússia.

Peskov reiterou o ponto neste domingo, mas suavizou usando as palavras “interferência indireta”. Ao mesmo tempo, ele disse que os protestos são ilegais e que os manifestantes foram superados em número pelos eleitores que apoiavam Putin.

Washington se juntou à União Europeia e ao Reino Unido na condenação da forma como as forças de segurança russa lidaram com os protestos do sábado, e o ministro das Relações Exteriores da França disse neste domingo que as prisões colocam em risco o Estado de Direito na Rússia, pedindo sanções.

(Reportagem de Vladimir Soldatkin)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH0N0A0-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.