Notícias

Justiça nega pedido de liberdade a acusado de matar e esquartejar a esposa

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

23 de maio de 2017 - 00:00 - Atualizado em 23 de maio de 2017 - 00:00

Justiça diz que manutenção da prisão serve como medida protetiva para a filha do casal (Foto: Arquivo Pessoal)

A defesa pediu a liberdade de Mauro Sampietri e ingressou com recurso na Justiça, mas a acusação conseguiu mostrar que há indícios suficientes pra manter acusado de esquartejar e queimar a mulher atrás das grades

*Com informações do repórter Daniel Santos, da RICTV Curitiba

A juíza Taís de Paula Scheer, da Vara de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher, negou o pedido de liberdade a Mauro Sampietri nessa segunda-feira (22). Na decisão, a juíza disse que “há risco concreto de reiteração criminosa, real propósito de interferir e inviabilizar a regular apuração criminal em curso. Custódia necessária para garantia da ordem pública e conveniência da instrução criminal”.

Mauro Sampietri é acusado de feminicídio, com violência doméstica e famíliar. O Ministério Público do Paraná (MP-PR) o acusa de matar, esquartejar, queimar e ocultar partes do corpo da esposa, Claudete Sampietri. Com a decisão judicial, ele permanece preso na penitenciária de Piraquara, ao que tudo indica, até ser submetido a júri popular.

Leia mais: DNA pode comprovar se Claudete foi morta dentro de casa

Um dos motivos que levou a justiça a mantê-lo preso foi uma denúncia que chegou ao MP-PR no fim de abril passado. A denunciante é a filha do casal, Tania Cristina Sampieri. Para o MP. A decisão de manter Mauro preso serve como medida protetiva em favor da filha e de outros familiares.

Ela disse ao MP que, no dia 19 de abril, por volta das 4h30 da tarde, seu telefone fixo tocou várias vezes. Eram ligações a cobrar que ela resolveu atender. Do outro lado da ligação, Mauro Sampietri, o pai, perguntou do genro. A filha disse que ele não estava. Mauro disse que precisava de ajuda, pediu chinelos e óculos. O problema é que Mauro já estava preso em Piraquara e a ligação foi a partir de um celular dentro da penitenciária.

O promotor José Luiz Loreto de Oliveira considerou a ligação ameaçadora. No dia 26 de abril, a informação foi repassada à direção do presídio, que levou o caso ao conselho disciplinar. Em uma revista na cela, dois celulares foram apreendidos e Mauro Sampietri foi punido com 20 dias de isolamento sem direito a visitas.

Veja a reportagem exibida no Balanço Geral Curitiba:

Leia também
Mulher é estuprada e morta ao tentar salvar as filhas de abuso

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.