Notícias

Juros de médio e longo prazos caem com alívio no câmbio e exterior

Estadão
Estadão Conteúdo

23 de junho de 2020 - 17:55 - Atualizado em 23 de junho de 2020 - 17:55

Os juros futuros fecharam a terça-feira, 23, em baixa nos vencimentos longos e intermediários, enquanto a ponta curta terminou de lado. A ata do Copom, estrela da agenda, veio em linha com o comunicado da decisão da semana passada e, assim, não serviu para desempatar o quadro de apostas para a Selic na reunião de agosto. As expectativas do mercado continuam divididas entre corte de 0,25 ponto porcentual e manutenção no nível de 2,25%. Nos vencimentos longos, prevaleceu a melhora do apetite pelo risco no exterior, que enfraqueceu o dólar e fez recuar o nível dos Contratos de Default Swap (CDS, em inglês) do Brasil para perto dos 250 pontos.

Nesse cenário, a curva devolveu o ganho de inclinação registrado ontem, tendo ainda favorecido esse movimento hoje o detalhamento por parte do Banco Central de seu programa de compra de títulos assegurado na PEC do Orçamento.

O contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2021 encerrou com taxa a 2,035% (mínima), de 2,034% ontem no ajuste, e o DI para janeiro de 2022, com taxa de 3,01% (3,03% ontem no ajuste). A do DI para janeiro de 2025 passou de 5,913% para 5,81% e a do DI para janeiro de 2027 caiu de 6,903% para 6,80%.

Paulo Nepomuceno, operador de renda fixa da Terra Investimentos, afirma que o destaque do dia hoje foram as moedas. “O real ganhou muito mais que as outras emergentes no dia e, com o risco-País caindo gradualmente, foi bom para a ponta longa”, afirmou, ponderando, porém, que, mesmo assim, a divisa brasileira ainda está muito atrasada ante seus pares.

Outro fator positivo para reduzir a inclinação foi o anúncio do BC das regras para compra de ativos privados no mercado secundário, segundo Nepomuceno. Serão elegíveis ativos com risco de crédito equivalente a BB- ou superior, depositados em depositária central, não conversíveis em ações. O prazo de vencimento deverá ser igual ou superior a 12 meses.

O presidente do BC, Roberto Campos Neto, fez questão de destacar que o anúncio não deveria ser lido como o começo do processo, evitando comentar quando dará o start. “Trata-se de um mercado com liquidez reduzida, então devemos anunciar um programa de atuações. Quando entrarmos, vamos comprar títulos privados por alguns dias”, afirmou. Ele disse ainda que a atuação do BC será abrangente. “Não vamos atuar para salvar um ou outro investidor”, completou.

André Perfeito, economista-chefe da Necton Investimentos, lembra que com a curva menos inclinada fica mais fácil para o BC testar novos limites para a taxa básica. “Pode ficar mais confortável para seguir reduzindo o juro”, disse ele, que espera apenas mais um corte de 0,25 ponto.

Na curva a termo, a precificação para a Selic em agosto, no fim da tarde, era de -14 pontos-base, ou 55% de chance de corte de 0,25 ponto porcentual, contra 45% de probabilidade de manutenção. Os cálculos são do Haitong Banco de Investimentos.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.