Notícias

Julgamento de recursos de Flávio Bolsonaro no STJ é suspenso com pedido de vista

Reuters
Reuters
Julgamento de recursos de Flávio Bolsonaro no STJ é suspenso com pedido de vista
.

17 de novembro de 2020 - 18:18 - Atualizado em 17 de novembro de 2020 - 18:20

(Reuters) – O julgamento de quatro recursos da defesa do senador Flavio Bolsonaro no Superior Tribunal de Justiça (STJ) envolvendo o caso da rachadinha da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) foi suspenso nesta terça-feira após um pedido de vista.

O pedido foi feito pelo ministro João Otavio de Noronha, que pediu adiamento para uma melhor análise.

Os recursos são contra supostas irregularidades nos dados do antigo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) compartilhados com o Ministério Público do Rio de Janeiro sobre movimentos atípicos na conta do senador, então deputado estadual; suspeita de ilegalidades na decisão da Justiça do Rio de autorizar quebra de sigilo bancário e fiscal do parlamentar; suposta irregularidade na prisão do ex-assessor parlamentar Fabrício Queiroz e pedido de invalidação de decisões concedidas na primeira instância, antes de o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro conceder ao senador o direito de foro privilegiado.

“Estou pedindo vista por que recebi o memorial ontem à noite. É um caso complexo, de repercussão e me cabe examinar como juiz… ninguém esteve comigo ou mandou memorial e então vou examinar“, disse Noronha na sessão da 5ª Turma.

Procurada, a defesa do senador informou que “aguarda o julgamento final“ e “se manifestará posteriormente“.

O senador, que é filho do presidente Jair Bolsonaro, e mais 16 pessoas, entre elas Fabrício Queiroz , foram denunciados pelo MP à Justiça no caso das rachadinhas.

Flávio Bolsonaro foi acusado de crimes como peculato , organização criminosa e lavagem de dinheiro. As esposas de Flávio e Queiroz e as filhas do ex-assessor parlamentar também foram denunciadas.

A denúncia contra o parlamentar está com o Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

O tribunal gerou uma grande polêmica este ano ao entender que o senador tinha direito à prerrogativa de foro mesmo com os supostos crimes tendo sido cometidos quando ele era deputado estadual.

As investigações da rachadinha da Alerj começaram no fim de 2018, no âmbito da operação Furna da Onça, da Lava Jato. Ali nasceram relatórios do Coaf com movimentações atípicas nas contas de mais de 20 gabinetes da Assembleia do Rio, dentre eles o do então deputado Flávio Bolsonaro.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEGAG1QV-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.