Notícias

Juiz determina 30 dias de prisão temporária a presidente da Câmara de Piên

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

2 de fevereiro de 2017 - 00:00 - Atualizado em 2 de fevereiro de 2017 - 00:00

Foto: Câmara Municipal de Piên, Divulgação

Também está preso por suposto envolvimento no caso o ex-prefeito da cidade, Gilberto Dranka

O juiz da cidade de Rio Negro, Rodrigo Morillos, determinou a prisão temporária por 30 dias de Leonides Maahs, atual presidente da Câmara de Vereadores da cidade de Piên, na região metropolitana de Curitiba. Ele é suspeito de encomendar a morte do prefeito eleito da cidade Loir Dreveck (PMDB), de 52 anos, assassinado em dezembro de 2016, antes de tomar posse no cargo.

Maahs foi preso em flagrante na terça-feira (31) durante uma operação do COPE (Centro de Operações Policiais Especiais), unidade de elite da Polícia Civil do Paraná. Inicialmente, os policiais iriam cumprir o mandado de condução coercitiva contra o presidente da Câmara, mas ele acabou autuado em flagrante por posse ilegal de munição e material para recarga de munição de arma de fogo.

A prisão temporária dele foi pedida pelo delegado do COPE, Marcelo Magalhães, que conduz a investigação sobre a morte de Dreveck, depois que o presidente do legislativo foi citado em depoimento de um dos presos.

Além dele e Maahs, estão presos o ex-prefeito da cidade de Piên, Gilberto Dranka, Orvandir Arias Pedrini e Amilton Padilha. Dranka é suspeito de encomendar, juntamente com Maahs, a morte do prefeito eleito. Padilha teria sido a pessoa contratada para matar Dreveck. E Pedrini teria sido o intermediário entre os mandantes e o executor.

A motivação do crime, de acordo com a investigação, seria uma desavença política, já que o prefeito eleito não iria atender as demandas do grupo político de Dranka, como a distribuição de cargos e secretarias municipais.

Os policiais do COPE ainda cumprem diligências para apurar a suspeita de outros envolvidos com a morte do prefeito eleito de Piên. Novos depoimentos estão sendo tomados pela autoridade policial.

Entenda o caso

Dreveck morreu no dia 17 de dezembro, três dias depois de ser baleado na cabeça. Ele foi alvejado quando viajava para Santa Catarina pela PR-420. Dreveck estava em um carro da prefeitura, com a família, quando foi surpreendido por um motociclista que disparou contra ele.

O prefeito eleito foi atingido na cabeça e encaminhado em estado grave ao Hospital e Maternidade Sagrada Família, em São Bento do Sul, Santa Catarina, mas não resistiu aos ferimentos.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.