Notícias

Jordânia alega que príncipe conspirou com estrangeiros para desestabilizar o país

Reuters
Reuters

4 de abril de 2021 - 14:52 - Atualizado em 4 de abril de 2021 - 14:52

Por Suleiman Al-Khalidi

AMÃ (Reuters) – O vice-primeiro-ministro da Jordânia, Ayman Safadi, disse neste domingo que o príncipe Hamza, meio-irmão do rei Abdullah e ex-herdeiro do trono, fez contato com organizações estrangeiras em um complô para desestabilizar o país, e que ele já está sob investigação há algum tempo.

No sábado, os militares disseram que emitiram um alerta ao príncipe por conta de ações contra a “segurança e estabilidade” do país aliado dos Estados Unidos. O príncipe Hamza disse posteriormente estar mantido em prisão domiciliar. Várias figuras importantes também foram detidas.

“As investigações monitoram interferências e comunicações com organizações estrangeiras para estabelecer o momento certo para desestabilizar a Jordânia”, disse Safadi.

Entre elas, há o caso de uma agência de inteligência estrangeira que contatou a esposa do príncipe Hamza para organizar um avião para o casal deixar a Jordânia, acrescentou.

“As investigações iniciais mostraram que essas atividades e movimentações atingiram um estágio que afetou diretamente a segurança e estabilidade do país, mas sua majestade decidiu que era melhor falar diretamente com o príncipe Hamza, para lidar com isso dentro da família e evitar que o assunto seja explorado”, disse.

Os acontecimentos devem abalar a imagem da Jordânia como uma ilha de estabilidade no turbulento Oriente Médio. O rei Abdullah removeu o príncipe Hamza de sua posição como herdeiro do trono em 2004, em manobra que consolidou seu poder.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.