Notícias

Inundações e blecautes atrasam avaliação de danos do setor petrolífero dos EUA após furacão Ida

Reuters
Reuters
Inundações e blecautes atrasam avaliação de danos do setor petrolífero dos EUA após furacão Ida
Homem passa ao lado de linha de transmissão de eletricidade danificada pela passagem do furacão Ida em Nova Orleans

31 de agosto de 2021 - 09:46 - Atualizado em 31 de agosto de 2021 - 09:50

Por Marianna Parraga e Stephanie Kelly

HOUSTON (Reuters) – Inundações generalizadas causadas pelo furacão Ida e blecautes desaceleravam nesta terça-feira os esforços de empresas de energia para avaliar os danos em instalações de produção de petróleo, portos e refinarias dos Estados Unidos.

Quase todo o Estado norte-americano da Louisiana ficou sem energia elétrica na segunda-feira depois que um dos furacões mais poderosos a atingirem a região derrubou linhas de transmissão e inundou comunidades. Áreas litorâneas foram alagadas por uma maré de tempestade tão grande que reverteu o fluxo do Rio Mississippi.

Analistas disseram que pode levar de duas a três semanas para retomar a produção nas plataformas e reativar totalmente as refinarias da Louisiana. Religar a energia, o que é essencial para as refinarias, também pode demorar semanas, disseram autoridades de prestadoras de serviço.

“Esta restauração provavelmente não será um retomada rápida”, disse Rod West, chefe de operações da prestadora Entergy Corp. “Este foi um evento de vento considerável e catastrófico, enquanto o Katrina foi um evento de água, em comparação.”

Transtornos na infraestrutura petrolífera estão testando os sistemas de distribuição de combustíveis do país. Operadoras desligaram oleodutos e gasodutos oceânicos que abastecem usinas de processamento, e a maior linha de conexão com a Costa Leste, muito dependente de combustíveis, ficou desligada durante dias.

A Phillips 66 ainda não conseguiu avaliar os danos na refinaria do Rio Mississippi em Belle Chasse, na Louisiana, que produz 255.600 barris por dia, disse um porta-voz. A usina, que foi posta à venda na semana passada, foi inundada após o rompimento de um dique de Alliance.

“É a maior quantidade de água que já vi em meus 31 anos vindo a Alliance”, disse o xerife da paróquia de Plaquemines, Gerald Turlich, na segunda-feira.

Inundações também foram relatadas em outras instalações da Louisiana. Nove refinarias diminuíram a produção ou operações de confinamento, inclusive a da Exxon em Baton Rouge, que produz 520 mil barris por dia, reduzindo 2,3 milhões de barris por dia de capacidade, ou 13% do total do país, estimou o Departamento de Energia.

No litoral, 95% da produção petrolífera do Golfo e 94% da produção de gás continuavam desligadas na segunda-feira, informou o Escritório de Cumprimento de Segurança e Meio-ambiente. Um total de 288 plataformas de produção e 11 plataformas de petróleo continuam inoperantes.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH7U0L8-BASEIMAGE