Internacionais

Venezuela diz que decisão de tribunal dos EUA que aprovou venda da Citgo foi fraude

Reuters
Reuters
Venezuela diz que decisão de tribunal dos EUA que aprovou venda da Citgo foi fraude
.

16 de janeiro de 2021 - 16:02 - Atualizado em 16 de janeiro de 2021 - 16:05

CARACAS (Reuters) – O ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, criticou neste sábado uma decisão judicial dos EUA que autoriza a venda das ações da empresa controladora da refinaria norte-americana Citgo Petroleum, chamando-a de resultado de um “processo judicial fraudulento”.

A Citgo é uma unidade da estatal venezuelana Petroleos de Venezuela, a PDVSA. Um tribunal federal em Delaware aprovou a venda nesta semana como forma de a mineradora de ouro canadense Crystallex receber uma sentença de 1,4 bilhão de dólares por expropriação de seus ativos, embora as sanções dos EUA atualmente impeçam a transação.

Em aparição na televisão estatal, Arreaza qualificou a decisão de “uma fraude processual que visa a roubar do povo da República Bolivariana da Venezuela o principal bem que possui no exterior”.

“A Venezuela nunca desistirá da defesa de seus direitos e interesses nos foros apropriados com o objetivo de conservar seu patrimônio”, disse Arreaza.

Arreaza afirmou que o governo venezuelano não teve o direito de se defender. Advogados que trabalham com o líder da oposição venezuelana Juan Guaido, reconhecido por Washington e dezenas de outros países como o legítimo líder da nação sul-americana, representaram a Venezuela no caso.

A oposição argumenta que está tentando preservar a propriedade da Citgo pela Venezuela, afirmando que o presidente Nicolas Maduro e seu antecessor Hugo Cháveza a colocaram em risco ao assumir dívidas de forma irresponsável e expropriando arbitrariamente ativos de empresas estrangeiras na Venezuela.

(Por Deisy Buitrago em Caracas e Luc Cohen em Nova York)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH0F0II-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.