Internacionais

Tempestade tropical Elsa chega a Cuba e está a caminho da Flórida

Reuters
Reuters
Tempestade tropical Elsa chega a Cuba e está a caminho da Flórida
Praia de Guanabo, em Cuba

5 de julho de 2021 - 18:37 - Atualizado em 5 de julho de 2021 - 18:41

Por Sarah Marsh e Marc Frank

HAVANA (Reuters) – A tempestade tropical Elsa chegou à Baía dos Porcos, na costa centro-sul do território cubano, nesta segunda-feira, e começou a avançar sobre a ilha, a caminho do Estado norte-americano da Flórida após causar pelo menos três mortes em outras localidades do Caribe. 

O Instituto Meteorológico de Cuba afirmou que Elsa, que anteriormente causou estragos em partes de Barbados, Santa Lúcia, Haiti, Jamaica e na República Dominicana, estava se deslocando na direção noroeste a 22 quilômetros por hora, e com ventos chegando até a 95 quilômetros por hora. 

As ondas da tempestade estavam afetando a costa sul de Cuba, enquanto partes do país passaram por fortes chuvas e ventos, segundo o instituto. Meteorologistas disseram que as chuvas causadas pela tempestade Elsa poderiam ser positivas para a agricultura, contanto que não fossem muito intensas.

Elsa acontece enquanto países caribenhos já estão tendo dificuldades para lidar com o impacto econômico da pandemia de coronavírus em suas economias, que dependem muito do turismo, e se preparam para mais uma temporada de furacões altamente ativa. 

Autoridades e moradores locais de alguns países já começaram a trabalhar na segunda-feira para reparar os danos causados pela tempestade, removendo árvores caídas e outros escombros e restabelecendo o fornecimento de energia elétrica.

“Continuamos com atenção máxima focados no caminho da tempestade Elsa em Cuba”, disse o presidente Miguel Díaz-Canel pelo Twitter no início da manhã. “As autoridades estão trabalhando no país todo.”

A previsão é que a tempestade deixe o país durante a noite a leste de Havana, entre Mayabeque e a cidade de Matanzas, segundo o instituto de meteorologia de Cuba.

Mais de 100 mil pessoas no país deixaram áreas sujeitas a inundação ou habitações inseguras no provável caminho da tempestade, a maioria delas foi para a casa de familiares ou amigos, mas milhares se instalaram em abrigos do governo, reportaram veículos de imprensa estatais.

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH640VQ-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.