Internacionais

Suprema Corte dos EUA ouvirá proposta de Trump para excluir imigrantes ilegais de representação

Reuters
Reuters
Suprema Corte dos EUA ouvirá proposta de Trump para excluir imigrantes ilegais de representação
.

16 de outubro de 2020 - 20:46 - Atualizado em 16 de outubro de 2020 - 20:50

Por Lawrence Hurley e Andrew Chung

WASHINGTON (Reuters) – A Suprema Corte dos Estados Unidos concordou na sexta-feira em ouvir os argumentos orais sobre os esforços do presidente Donald Trump para excluir os imigrantes ilegais dos totais populacionais usados para alocar distritos eleitorais nos Estados.

O tribunal, que provavelmente em breve terá uma maioria conservadora de 6-3 se o Senado controlado pelos republicanos confirmar a indicada de Trump Amy Coney, fará audiência sobre o caso em 30 de novembro.

Os opositores da diretiva de Trump, incluindo vários Estados liderados por Nova York, cidades, condados e grupos de direitos dos imigrantes, disseram que isso poderia deixar milhões de pessoas incontáveis e provavelmente fazer com que Califórnia, Texas e Nova Jersey percam assentos na Câmara dos Deputados dos EUA.

Trump “busca realocar o poder político entre os Estados e enfraquecer a influência política dos Estados com populações maiores de imigrantes sem documentos”, disseram os contestadores da ação em um processo judicial.

Eles alegaram que a política também poderia impedir as pessoas de participar do censo e argumentaram que ela viola a Constituição e a Lei do Censo, uma lei federal que define como o censo é conduzido.

Um painel de três juízes decidiu contra o governo em setembro.

A Constituição dos EUA garante que a distribuição de assentos na Câmara dos Deputados seja baseada no “número total de pessoas em cada Estado”. O número da população é derivado do censo, que ocorre a cada 10 anos.

(Reportagem de Lawrence Hurley em Washington e Andrew Chung em Nova York)

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEG9F1Y0-BASEIMAGE