Internacionais

Sinos e luzes homenageiam 400.000 mortos por Covid-19 nos EUA

Reuters
Reuters
Sinos e luzes homenageiam 400.000 mortos por Covid-19 nos EUA
Espelho d'água do Lincoln Memorial, em Washington (EUA), preparado para homenagem do presidente eleito Joe Biden a vítimas do coronavírus

19 de janeiro de 2021 - 19:12 - Atualizado em 19 de janeiro de 2021 - 19:15

Por Susan Heavey e Gabriella Borter

WASHINGTON (Reuters) – Do Lincoln Memorial ao Empire State Building, marcos históricos dos Estados Unidos serão iluminados na noite desta terça-feira como parte de uma cerimônia conduzida pelo presidente eleito, Joe Biden, em homenagem aos 400.000 norte-americanos que morreram de Covid-19.

A homenagem, encabeçada por Biden e pela vice-presidente eleita, Kamala Harris, horas antes de assumirem o comando de um país em crise, representa o primeiro aceno do governo federal ao estonteante número de mortos na pandemia.

Biden e Harris vão comandar uma cerimônia de iluminação no Espelho d’Água do Lincoln Memorial às 17h15 (19h15 em Brasília), seguido por um momento de silêncio e o badalar dos sinos por 400 vezes na Catedral Nacional para homenagear simbolicamente os mortos pela Covid-19.

“Centenas de cidades, tribos, monumentos e comunidades em todo o país se comprometeram a se juntar ao tributo em um momento de unidade nacional”, disse o comitê de posse de Biden em um comunicado.

Os Estados Unidos deveriam atingir dois marcos sombrios da Covid-19 nesta terça –24 milhões de infecções e 400.000 vidas perdidas, de acordo com uma contagem da Reuters. O país registrou mais de 200.000 novos casos e 3.220 mortes em média nos últimos sete dias.

O comitê de posse disse que estava incentivando os norte-americanos a acender velas em suas janelas e igrejas a badalar seus sinos em uma demonstração de unidade.

A cerimônia marca o início de uma nova era na batalha do país contra a Covid-19 sob Biden, que prometeu fazer do combate ao coronavírus uma prioridade máxima quando assumir o cargo na quarta-feira.

(Reportagem de Susan Heavey e Heather Timmons em Washington, Maria Caspani, Barbara Goldberg e Peter Szekely em Nova York e Gabriella Borter na Flórida)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH0I1N2-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.