Internacionais

Simpatizantes de Trump condenam violência, mas não estão dispostos a culpá-lo

Reuters
Reuters
Simpatizantes de Trump condenam violência, mas não estão dispostos a culpá-lo
.

8 de janeiro de 2021 - 12:52 - Atualizado em 8 de janeiro de 2021 - 12:56

Por Brad Brooks e Nathan Layne

LAMESA, Texas/HOMER, Geórgia (Reuters) – Eddie Emerson jogou sua linha de pescar em um lago no oeste do Texas em busca de trutas e de uma resposta para a pergunta sobre como ele se sentia em relação à invasão do Capitólio dos EUA por apoiadores de Trump.

Apoiador do presidente Donald Trump, Emerson disse não gostar da violência que viu na TV na quarta-feira: pessoas derrubando barricadas, entrando em confronto com a polícia e invadindo o prédio em Washington que abriga o Senado e a Câmara dos Deputados.

Mas repetindo um sentimento sustentado por muitos simpatizantes de Trump, Emerson expressou frustração com o que chamou de hipocrisia daqueles que condenaram os distúrbios, mas fizeram vista grossa para a violência nos protestos do movimento Black Lives Matter no verão passado.

“E quanto a Portland?” ele perguntou, apontando para os meses de protesto e confusão na maior cidade do Oregon. “Quando é a esquerda por trás da violência, é só eles expressando sua voz, sua criatividade.”

Em duas dezenas de entrevistas com apoiadores de Trump em partes profundamente conservadoras do Texas e da Geórgia, eles condenaram a violência de quarta-feira, mas ao mesmo tempo não responsabilizaram o presidente.

Em vez disso, eles disseram que entenderam a raiva por trás do ato, expressando sua própria irritação com o que acreditam ter sido uma eleição fraudulenta vencida pelo democrata Joe Biden.

Eles culparam os manifestantes de esquerda pela violência –sem apresentar qualquer evidência– e expressaram pouca esperança de que o país profundamente dividido se unificará em breve.

E ninguém se mostrou disposto a abandonar Trump, que tem insistido que venceu a eleição de 3 de novembro, fazendo alegações infundadas de fraude eleitoral que foram rejeitadas pelos tribunais.

((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447702)) REUTERS AC

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH070YB-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.