Internacionais

Presidente da Nicarágua desdenha pressão global em discurso raro

Reuters
Reuters
Presidente da Nicarágua desdenha pressão global em discurso raro
Homem passa em frente a mural com imagem do presidente Daniel Ortega, em Manágua

24 de junho de 2021 - 12:37 - Atualizado em 24 de junho de 2021 - 12:41

MANÁGUA (Reuters) – O presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, disse na quarta-feira que sanções não deterão seu governo e prometeu não libertar adversários políticos detidos acusados de crimes, enquanto cresce a pressão internacional pelo fim da repressão antes da eleição de novembro.

O governo de Ortega prendeu ao menos 15 oponentes políticos nas últimas semanas, incluindo cinco aspirantes a candidatos presidenciais, antes da eleição presidencial na qual o líder de longa data concorrerá a um quarto mandato consecutivo.

Um jornalista e ao menos mais duas pessoas também foram detidos.

“Os inimigos da revolução, os inimigos do povo, estão gritando como é possível estarem detidos, como é possível estarem aprisionados, como é possível estarem sendo processados”, disse Ortega em um discurso televisionado ao vivo.

Ortega argumentou que seu governo está prendendo e processando criminosos que estavam tramando um golpe contra ele.

“É absurdo libertá-los. Tudo que estamos fazendo, estamos fazendo pelas regras”, disse ele, acrescentando que a riqueza de oponentes que ele afirmou serem da “alta sociedade” não os torna intocáveis.

Ele se referiu à detenção de separatistas catalães na Espanha e à detenção de manifestantes após a invasão do Capitólio dos Estados Unidos para dizer que é hipócrita estes países pedirem para a Nicarágua libertar seus presos.

Na terça-feira, o porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Ned Price, classificou as detenções e investigações como uma “campanha de terror em andamento” e disse que os EUA “usarão todas as ferramentas diplomáticas e econômicas à nossa disposição” para promover eleições livres.

O governo dos EUA diz estar preparado para analisar “atividades relacionadas ao comércio” se as eleições não forem livres e justas.

“Eles estão de joelhos pedindo sanções aos (norte-americanos), implorando por sanções… eles pensam que sanções deterão a Nicarágua. A Nicarágua passou por tempos muito mais difíceis”, disse.

Ortega acusou os EUA de tentarem depor o que qualificou de governos progressistas e pediu o fim do “capitalismo selvagem”, mais um lembrete de que recuou de uma estratégia anterior de coexistência com a classe empresarial do país.

Nesta semana, o grupo de direitos humanos Human Rights Watch disse que o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, deveria abordar a crise com o Conselho de Segurança.

(Por Ismael Lopez em Manágua e Anthony Esposito e Diego Ore na Cidade do México)

((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447702)) REUTERS AC

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH5N0ZJ-BASEIMAGE