Internacionais

Presidenciável indígena do Equador quer impedir mineração e ampliar prazos de dívida

Reuters
Reuters
Presidenciável indígena do Equador quer impedir mineração e ampliar prazos de dívida
Eleição presidencial no Equador

21 de janeiro de 2021 - 17:41 - Atualizado em 21 de janeiro de 2021 - 17:46

Por Alexandra Valencia

QUITO (Reuters) – O dirigente indígena equatoriano Yaku Pérez busca conquistar a Presidência do país andino propondo uma consulta popular para impedir a mineração de metais em seu afã de proteger as fontes de água e substituir estas rendas em potencial com o desenvolvimento da agricultura e do turismo.

Se for eleito em 7 de fevereiro, Pérez também tentará fazer com que o Fundo Monetário Internacional (FMI) e outras entidades multilaterais aceitem prorrogar os prazos para pagar o serviço da dívida até a economia do Equador se recuperar dos efeitos da pandemia de coronavírus.

“Não queremos que as marcas que a mineração deixou, marcas indeléveis, se repitam no Equador, e por isso (desenvolvemos) nossa proposta de que o Equador seja declarado território livre de mineração”, disse Pérez em uma entrevista concedida à Reuters na noite de quarta-feira. “A alternativa não é a mineração.”

“A ideia é levar a consulta popular para que sejam os equatorianos a dar seu consentimento ou não à mineração de metais em fontes de água, em zonas sensíveis”, acrescentou o dirigente indígena, um advogado de 51 anos.

O Equador está impulsionando o desenvolvimento de projetos de mineração, cujas exportações proporcionaram receitas de 810 milhões de dólares entre janeiro e novembro de 2020, segundo dados oficiais.

Na pesquisa mais recente da empresa Market, Pérez aparece como terceiro entre os 16 candidatos à Presidência do país, atrás do jovem economista Andrés Arauz e do banqueiro Guillermo Lasso, mas seu apoio político será essencial em um eventual segundo turno, de acordo com analistas.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH0K1M0-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.