Internacionais

Polícia detém 100 em Amsterdã após protesto contra bloqueio, toque de recolher

Reuters
Reuters

24 de janeiro de 2021 - 16:06 - Atualizado em 24 de janeiro de 2021 - 16:06

AMSTERDÃ (Reuters) – A polícia holandesa usou canhões de água, cães e policiais montados para dispersar um protesto no centro de Amsterdã neste domingo contra as restrições do lockdown adotado por causa do coronavírus e deteve mais de 100 pessoas por atirar pedras e fogos de artifício.

A manifestação na Praça do Museu da cidade, que violou a proibição de reuniões públicas, ocorreu um dia depois de o governo adotar um toque de recolher noturno pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial.

Os manifestantes, organizados em parte por proprietários de restaurantes, cansados das medidas de bloqueio de longa duração do país, carregaram uma faixa dizendo “Pare o lockdown”.

Temendo um motim ou um evento de propagação de uma doença, o prefeito Femke Halsema designou a praça como uma “zona de alto risco” e deu à polícia o poder de revistar preventivamente as pessoas em busca de armas.

A polícia esvaziou a praça depois que as pessoas ignoraram as instruções para sair e detiveram aqueles que os atacaram com pedras e fogos de artifício nas ruas próximas, disse o gabinete do prefeito.

O Parlamento votou por pouco na semana passada para aprovar o toque de recolher, influenciado por afirmações de que uma variante do Covid-19 identificada pela primeira vez no Reino Unido estava prestes a causar um novo aumento de casos. Em geral, as novas infecções no país vêm diminuindo há um mês e caíram novamente neste domingo, para 4.924 novos casos.

Na noite de sábado, a polícia prendeu 25 pessoas em todo o país e aplicou 3.600 multas por violações do toque de recolher.

A polícia disse que os presos se recusaram a voltar para casa ou cometeram atos de violência. Um grupo de jovens da vila de pescadores de Urk jogou fogos de artifício e pedras contra a polícia e incendiou um centro de testes temporário da Covid-19.

As exceções ao toque de recolher, que vai até 9 de fevereiro, incluem emergências médicas, pessoas realizando tarefas essenciais e pessoas passeando com seus cachorros. Os infratores podem ser multados em 95 euros.

Escolas e lojas não essenciais na Holanda foram fechadas desde meados de dezembro, após o fechamento de bares e restaurantes dois meses antes.

A Holanda foi o último país da União Europeia a iniciar a vacinação e, até agora, vacinou um total de 77.000 médicos e enfermeiras em um país de 18 milhões de habitantes.

(Reportagem de Toby Sterling)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.