Internacionais

Países pobres precisam de mais dinheiro para lidar com mudanças climáticas, diz ONU

Reuters
Reuters
Países pobres precisam de mais dinheiro para lidar com mudanças climáticas, diz ONU
Inger Andersen

14 de janeiro de 2021 - 14:06 - Atualizado em 14 de janeiro de 2021 - 14:11

Por Nina Chestney

LONDRES (Reuters) – Metade do financiamento mundial para mudança climática deveria ser destinada a ajudar as nações mais pobres a se adaptarem aos efeitos do aquecimento global, como secas, aumento do nível do mar e inundações, disse o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) na quinta-feira.

O clima extremo no ano passado, como chuvas torrenciais na África, ondas de calor recordes e temperaturas mais altas nos oceanos tropicais, é consistente com as mudanças climáticas, afirmam cientistas.

O ano passado foi um dos mais quentes já registrados e conforme os impactos se intensificam, os governos em todo o mundo precisam se adaptar melhor ou enfrentam sérios custos, danos e perdas, segundo o relatório do PNUMA sobre a defasagem na adaptação.

O Acordo de Paris de 2015 visa limitar o aquecimento para menos de 2 graus Celsius, de preferência 1,5ºC, neste século.

Sob o pacto, os governos também concordaram em implementar medidas de adaptação, como defesas contra enchentes, casas mais verdes e safras resistentes à seca, com ajuda financeira para os países mais pobres.

“Como disse o secretário-geral da ONU, precisamos de um compromisso global para destinar metade de todo o financiamento climático global à adaptação no próximo ano”, disse Inger Andersen, diretor executivo do PNUMA.

“Isso permitirá um grande avanço na adaptação – em tudo, desde sistemas de alerta precoce a recursos hídricos resilientes e soluções baseadas na natureza.”

O relatório anual do PNUMA sobre a adaptação revelou que 72% dos países adotaram pelo menos um instrumento de planejamento de adaptação em nível nacional. No entanto, permanecem enormes lacunas de financiamento para ajudar as nações em desenvolvimento a se adaptarem aos piores efeitos.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH0D1AL-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.