Internacionais

Otan precisa se concentrar em risco de ascensão da China, segundo relatório

Reuters
Reuters
Otan precisa se concentrar em risco de ascensão da China, segundo relatório
Logo da Otan na entrada do prédio da organização em Bruxelas

30 de novembro de 2020 - 12:36 - Atualizado em 30 de novembro de 2020 - 12:45

Por Robin Emmott e Sabine Siebold

BRUXELAS/BERLIM (Reuters) – A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) precisa pensar melhor em como lidar com a China e sua ascensão militar, mas a Rússia continuará sendo sua maior adversária durante esta década, de acordo com um relatório sobre a reforma da aliança a ser publicado na terça-feira.

O relatório “Otan 2030”, que contém 138 propostas feitas por um grupo de especialistas, chega em meio a dúvidas crescentes sobre o objetivo e a relevância de uma entidade que o presidente francês, Emmanuel Macron, descreveu no ano passado como vítima de “morte cerebral”.

“A China não é mais a parceira comercial benigna que o Oeste um dia desejou. É a potência emergente de nosso século, e a Otan precisa se adaptar”, disse um diplomata da Otan que viu o relatório, apontando para a atividade chinesa no Ártico e na África e aos investimentos pesados da China em infraestrutura na Europa.

Parte da reação da Otan deveria ser manter um vantagem tecnológica sobre a China e proteger redes de computadores e infraestrutura, disse o diplomata citando o relatório – mas nem todas as recomendações serão adotadas.

A aliança de 30 membros também poderia forjar laços mais estreitos com países não filiados, como a Austrália, e se concentrar mais na dissuasão no espaço, onde a China está desenvolvendo recursos, sugere o relatório.

Em comentários feitos nesta segunda-feira, o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, disse que a ascensão da China cria “desafios importantes para a nossa segurança”.

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEGAT19O-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.