Internacionais

Órgão da UE recomenda evitar vacina da AstraZeneca para pessoas acima de 60 anos

Reuters
Reuters
Órgão da UE recomenda evitar vacina da AstraZeneca para pessoas acima de 60 anos
(Foto: Reuters)

13 de junho de 2021 - 12:30 - Atualizado em 13 de junho de 2021 - 12:30

MILÃO (Reuters) – Os países devem evitar dar a vacina AstraZeneca contra Covid-19 a pessoas com mais de 60 anos, além de grupos de idade mais jovens, disse o chefe da força-tarefa do regulador de drogas da UE neste domingo.

A posição da Agência Europeia de Medicamentos (EMA) é que a vacina AstraZeneca é segura e pode ser usada para todas as faixas etárias acima de 18 anos. No entanto, vários membros da União Europeia restringiram seu uso para pessoas na faixa etária de 50 a 65 anos, devido a casos raros de coagulação do sangue, principalmente entre os jovens.

“Em um contexto de pandemia, nossa posição era e é que a relação risco-benefício continua favorável para todas as faixas etárias”, disse o chefe da força-tarefa do Covid-19, Marco Cavaleri, ao jornal italiano La Stampa.

No entanto, Cavaleri disse que como o número de casos da doença está caindo e levando em consideração que a população mais jovem está menos exposta aos riscos ligados a Covid-19, seria melhor usar vacinas baseadas na tecnologia de RNA mensageiro (mRNA), como as vacinas Moderna e Pfizer-BioNTech, na população mais jovem.

Questionado sobre se as autoridades de saúde também deveriam evitar dar a vacina AstraZeneca a pessoas com mais de 60 anos, Cavaleri disse: “Sim, e muitos países, como França e Alemanha, estão considerando isso devido à maior disponibilidade de vacinas de mRNA.”

No início da semana, o governo italiano disse que restringirá o uso da vacina AstraZeneca a pessoas com mais de 60 anos, depois que um adolescente que recebeu a vacina morreu devido a uma forma rara de coagulação do sangue.

O ministro italiano da Saúde, Roberto Speranza, disse neste domingo que a Itália continuará a usar a vacina AstraZeneca em pessoas com mais de 60 anos, incluindo aqueles que não receberam a primeira injeção.

Como muitos países europeus, a Itália suspendeu brevemente a vacinação com AstraZeneca em março devido a preocupações com os raros problemas de coagulação do sangue.

(Reportagem de Elvira Pollina)

((Tradução Redação São Paulo))

REUTERS AAP

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH5C09E-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.