Internacionais

OMS pede a países para “não perderem ganhos” com suspensão prematura de medidas contra Covid

Reuters
Reuters
OMS pede a países para “não perderem ganhos” com suspensão prematura de medidas contra Covid
Michael J. Ryan, da OMS, em Genebra

7 de julho de 2021 - 17:40 - Atualizado em 7 de julho de 2021 - 17:41

ZURIQUE/BENGALARU (Reuters) – O chefe de emergências da Organização Mundial da Saúde, Michael Ryan, fez apelo nesta quarta-feira aos países para ter extrema cautela ao suspender as restrições da Covid-19 para “não perder os ganhos que foram obtidos”.

As declarações de Ryan ocorrem no momento em que a Inglaterra, sede da Eurocopa, se prepara para acabar com muitas medidas contra Covid em 19 de julho, ao mesmo tempo que outros países europeus diminuem as restrições às viagens e os Estados indianos aliviam o lockdown, apesar do aumento de casos com a variante Delta em todo o mundo.

Ryan disse que embora cada nação deva decidir por si mesma, os indivíduos, incluindo os não vacinados, precisam assumir a responsabilidade de proteger a si próprios e os outros, para evitar que os hospitais sejam sobrecarregados por outra onda pandêmica.

“A ideia de que todos estão protegidos e que tudo volta ao normal, acho que agora é uma suposição muito perigosa em qualquer lugar do mundo, e ainda é uma suposição perigosa no ambiente europeu”, afirmou ele a repórteres durante uma reunião de Genebra.

“Gostaríamos de pedir aos governos neste momento que não percam os ganhos obtidos.”

Antes da reabertura, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disse que a situação epidemiológica pode ser melhorada com a chegada do verão e das férias escolares.

Ryan disse acreditar que os cientistas britânicos estão “muito cientes da ameaça representada pelas variantes, especialmente a variante Delta” e abririam com cautela.

A OMS também exortou países, incluindo os Estados Unidos e a Suíça, que estão vacinando jovens de 12 a 15 anos, a doar doses para o programa de compartilhamento de vacinas Covax.

(Reportagem de John Miller em Zurique e Manas Mishra em Bengaluru)

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH661AZ-BASEIMAGE