Internacionais

Nice vive luto por ataque em igreja, ministro alerta para mais atentados

Reuters
Reuters
Nice vive luto por ataque em igreja, ministro alerta para mais atentados
Padre Franklin Parmentier é cercado por jornalitsas enquanto presta homenagem a vítimas de ataque em igreja de Notre Dame, em Nice, na França

30 de outubro de 2020 - 09:10 - Atualizado em 30 de outubro de 2020 - 09:11

Por Tangi Salaün

PARIS/NICE (Reuters) – O ministro do Interior da França disse nesta sexta-feira que mais ataques militantes em seu solo são prováveis e que o país está engajado em uma guerra contra a ideologia islâmica após o segundo ataque fatal com faca em suas cidades em duas semanas.

Gérald Damarnin falava um dia depois de um agressor que gritava “Allahu Akbar” (Deus é grande) decapitar uma mulher e matar duas outras pessoas em uma igreja de Nice.

O homem foi baleado pela polícia e se encontra em estado crítico em um hospital.

“Estamos em uma guerra contra um inimigo que está tanto dentro quanto fora”, disse Damarnin à rádio RTL. “Precisamos entender que houve e haverá outros eventos como estes ataques terríveis.”

O presidente Emmanuel Macron enviou milhares de soldados para proteger pontos importantes, como locais de culto e escolas, e o alerta de segurança da França está em seu nível mais elevado.

O ataque de quinta-feira, o aniversário do Profeta Maomé, aconteceu em um momento de revolta muçulmana crescente em todo o mundo com a defesa da França ao direito de publicar caricaturas do profeta. Manifestantes que os consideram insultantes denunciaram o país em manifestações de rua em vários países de maioria muçulmana.

Dezenas de milhares de muçulmanos protestaram em Bangladesh nesta sexta-feira, bradando slogans como “Boicote produtos franceses” e portando cartazes nos quais Macron é rotulado como “o pior terrorista do mundo” ao marcharem pelas ruas da capital Daca.

O principal procurador antiterrorismo francês disse que o suspeito do ataque em Nice é um tunisiano nascido em 1999 que chegou à Europa no dia 20 de setembro em Lampedusa, ilha italiana no litoral da Tunísia que é um dos principais pontos de chegada de imigrantes da África.

Uma fonte de segurança tunisiana e uma fonte da polícia francesa identificaram o suspeito como Brahim Aouissaoui.

Já uma fonte judicial disse nesta sexta-feira que um homem de 47 anos foi posto sob custódia na noite de quinta-feira devido à suspeita de que teve contato com o perpetrador do ataque.

Pessoas se reuniram diante da igreja de Notre Dame de Nice na manhã de quinta-feira para depositar flores e acender velas.

Falando diante da igreja na quinta-feira, Macron disse que o país foi atacado “devido aos nossos valores, por nosso gosto pela liberdade, pela capacidade de se ter liberdade de crença em nosso solo. E volto a dizer com muita clareza hoje: não cederemos nem um palmo”.

No protesto em Daca, porém, manifestantes o acusaram de incitar a islamofobia.

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEG9T12N-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.