Internacionais

Milhares protestam contra o passe obrigatório de saúde para coronavírus na França

Foi o terceiro fim de semana seguido de protestos contra as novas medidas da Covid-19 determinadas pelo governo do presidente Emmanuel Macron

Reuters
Reuters
Milhares protestam contra o passe obrigatório de saúde para coronavírus na França
(Foto: Sarah Meyssonnier/Reuters)

31 de julho de 2021 - 14:07 - Atualizado em 31 de julho de 2021 - 15:24

PARIS (Reuters) – Milhares de pessoas protestaram em Paris e outras cidades francesas no sábado (31) contra a adoção de um passe obrigatório de saúde para coronavírus para entrada em uma ampla variedade de locais públicos, introduzido pelo governo enquanto luta contra uma quarta onda de infecções.

Os manifestantes feriram três policiais em Paris, disse um porta-voz da polícia.

Foi o terceiro fim de semana consecutivo em que as pessoas que se opunham às novas medidas da Covid-19 determinadas pelo governo do presidente Emmanuel Macron saíram às ruas, uma demonstração incomum de determinação em uma época do ano em que muitas pessoas estão concentradas em tirar as férias de verão.

“Estamos criando uma sociedade segregada e acho inacreditável fazer isso no país dos direitos humanos”, disse Anne, uma professora que estava se manifestando em Paris. Ela se recusou a dar seu sobrenome.

“Por isso, saí às ruas; nunca protestei antes na minha vida. Acho que a nossa liberdade está em perigo.”

Os visitantes que vão a museus, cinemas ou piscinas já têm a entrada proibida se não puderem apresentar o passe de saúde que comprove que foram vacinados contra Covid-19 ou tiveram um teste negativo recente.

O Parlamento aprovou uma nova lei esta semana que tornará a vacinação obrigatória para profissionais de saúde e estenderá a exigência de passe de saúde a bares, restaurantes, feiras, trens e hospitais.

A polícia estimou que cerca de 13.500 pessoas se manifestaram nas ruas de Paris, disse outro porta-voz da polícia.

Cerca de 3.000 policiais foram posicionados na capital, com policiais antimotim se esforçando para manter os manifestantes nas rotas autorizadas.

As autoridades procuraram evitar uma repetição dos eventos na semana passada, quando eclodiram brigas entre a polícia e os manifestantes na Champs-Elysees.

Os manifestantes também estiveram em outras cidades como Marselha, Lyon, Montpelier, Nantes e Toulouse, gritando “Liberdade!” e “Não ao passe de saúde!”.

(Reportagem de Léa Guedj e Yiming Woo; Escrito por Mathieu Rosemain; Edição de Frances Kerry)