Internacionais

Mais de 11 mil foram deslocados pela violência na Colômbia este ano, diz Defensoria

Reuters
Reuters
Mais de 11 mil foram deslocados pela violência na Colômbia este ano, diz Defensoria
Indígenas colombianos protestam contra violência em Bogotá

8 de março de 2021 - 19:03 - Atualizado em 8 de março de 2021 - 19:06

Por Luis Jaime Acosta

BOGOTÁ (Reuters) – Mais de 11 mil pessoas foram deslocadas de suas casas por conta de conflitos entre grupos armados na Colômbia até agora em 2021 – o equivalente a sete pessoas por hora – afirmou a Defensoria Pública nesta segunda-feira. 

Gangues criminosas, guerrilheiros do Exército de Libertação Nacional (ELN) e ex-membros das Farc que rejeitam o acordo de paz lutam entre si pelo controle do tráfico de droga e de áreas de mineração ilegal contra as Forças Armadas do país, na maioria dos casos em locais habitados por colombianos negros e indígenas. 

“Houve 16 eventos urbanos de deslocamento em massa e 14 eventos de deslocamentos rurais em massa que afetaram no total 4.062 famílias, 11.150 pessoas”, disse o defensor público Carlos Camargo em nota. “90% dos deslocados pertencem a comunidades étnicas do Pacífico Colombiano”.

No ano passado, 28.509 pessoas foram deslocadas em 90 eventos de deslocamento em massa, segundo dados da Defensoria.

Quarenta comunidades nas províncias de Choco, Cauca e Narino, na costa do Pacífico, sofreram neste ano “confinamentos” por conta de disputas territoriais entre grupos armados, disse a nota.

A cidade portuária de Buenaventura foi um ponto central de deslocamentos urbanos, enquanto gangues locais disputavam o controle por rotas marítimas de tráfico de drogas para os Estados Unidos. 

“Esses são eventos que aterrorizam a população com assassinatos direcionados, recrutamentos e uso de crianças e adolescentes, ameaças e práticas de controle e submissão da população”. 

O governo do presidente Iván Duque já prometeu repetidas vezes combater os grupos armados ilegais, que culpa pelos assassinatos de ativistas comunitários e de direitos humanos, além de chacinas recentes. 

(Reportagem de Luis Jaime Acosta) 

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH271MH-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.