Internacionais

Mãe confessa que injetou água sanitária nas veias da filha de um ano

A mulher também admitiu que costumava cortar o bebê com lâminas de barbear na cabeça, pernas, braços, peito e pálpebras

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
Mãe confessa que injetou água sanitária nas veias da filha de um ano
Foto: Reprodução

30 de novembro de 2020 - 16:22 - Atualizado em 30 de novembro de 2020 - 16:55

Uma mãe que está presa por torturar sua filha de 1 ano e seis meses escreveu uma carta para pedir perdão à família. Ezgi Korucu, de 28 anos, já havia admitido que costumava injetar água sanitária nas veias do bebê e também cortá-lo com lâminas de barbear. 

“Eu não poderia amar minha filha e queria que ela morresse, lentamente. Então eu decidi torturá-la. Eu a atormentava com cortes de navalha em sua cabeça, pernas, braços, peito e pálpebras. Eu injetei sabão líquido e água sanitária em suas veias com uma seringa. Isso começou quando minha filha tinha um mês”, declarou aos promotores do caso. 

Ezgi está detida desde fevereiro de 2019, quando os médicos que atenderam a criança em um hospital perceberam que a menininha vinha sendo torturada. Antes disso, ela já havia sido presa por duas vezes, mas acabou solta após negar as acusações. 

O caso chocante ocorreu em Istambul, na Turquia, e nos últimos dias a mãe finalmente decidiu enviar a carta para sua família.

“Peço desculpas a você e a seus irmãos. Por favor me perdoe. Eu não sou uma mãe ruim”, diz parte da mensagem divulgada pelo The Mirror. 

Os promotores estão exigindo que ela cumpra pena de até 20 anos por “tentativa deliberada de matar uma criança, agravada pelo uso de tortura”.

O advogado de defesa de Ezgi disse aos responsáveis pelo caso que a cliente maltratava a filha porque sofria abusos no casamento. 

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.