Internacionais

Jovem é condenado a 1200 anos de prisão por cometer tiroteio em escola

O crime deixou um adolescente morto e outros oito feridos; o outro jovem envolvido no crime já havia sido condenado a prisão perpétua no ano passado

Aline
Aline Taveira / Produtora com informações do The Denver Post e do NPR
Jovem é condenado a 1200 anos de prisão por cometer tiroteio em escola
(Foto: Joe Amon / The Denver Post)

21 de setembro de 2021 - 15:25 - Atualizado em 21 de setembro de 2021 - 15:26

Um jovem de 20 anos foi condenado a 1.282 anos de prisão nesta sexta-feira (17). Devon Erickson foi culpado por cometer um tiroteio em uma escola em 7 de maio de 2019, em Denver, nos Estados Unidos. Um adolescente morreu e oito ficaram feridos na ocasião.

Devon Erickson foi considerado culpado de 46 acusações, incluindo assassinato em primeiro grau na morte de Kendrick Castillo, um estudante de 18 anos aclamado como um herói por tentar impedir o ataque à sala de aula em STEM School Highlands Rancho, ao sul de Denver.

A promotoria afirmou que Erickson fez parceria com o colega Alec McKinney, que disse aos investigadores que planejou o ataque por semanas e teve como alvo colegas que zombaram dele repetidamente por ser transgênero, de acordo com documentos do tribunal. 

Segundo o jornal NPR, Erickson não demonstrou nenhuma reação, exceto assoar o nariz na máscara após a sentença. Mas, logo depois que seus pais, irmã e avô lhe disseram que o amavam em seu testemunho, sua voz falhou quando o juiz perguntou se ele queria falar. Ele recusou e permaneceu calado.

A juiza Theresa Michelle Slade afirmou que Erickson nunca tentou explicar suas ações, deixando um “buraco aberto” para uma comunidade que busca, pelo menos, uma “sensação de conclusão”.

“Não acredito, sr. Erickson, pelo menos por agora, que isso faz diferença para você. Então, o que você faz o resto de sua vida na prisão, não é por minha conta. É por você”, afirmou a juíza.

McKinney, que tinha 16 anos na época do tiroteio, também foi condenado à prisão perpétua no ano passado, mas poderá se qualificar para liberdade condicional após cerca de 20 anos sob um programa para delinquentes juvenis. Como Erickson já era maior de idade na época do crime, não poderá usufruir do mesmo benefício.

Erickson e McKinney usaram três revólveres e um rifle .22, roubado de um cofre de armas dos pais de Erickson, no dia do tiroteio. Os alvos foram alunos que assistiam a um filme na sala de aula. Os dois entraram por portas diferentes, para maximizar o número de estudantes que poderiam matar, segundo os promotores. Antes do crime, eles consumiram cocaína.

Os advogados de defesa argumentaram que Erickson foi pressionado a participar por McKinney, que testemunhou contra Erickson após se confessar culpado no ano passado. A defesa também sugeriu que o adolescente morto, Kendrick Castillo, foi baleado acidentalmente ao empurrar Erickson contra a parede.

O pai de Erickson, Jim Erickson, leu em voz alta os nomes dos feridos e pediu desculpas a eles, professores, alunos, policiais e à comunidade em geral.

“Oramos por essas pessoas todos os dias. Esperamos que eles possam encontrar a paz, e esperamos que eles possam encontrar o perdão – e eu sei que é difícil pedir perdão”, finalizou o pai do condenado.

Em sua sentença, no ano passado, McKinney disse que não queria clemência, mas sugeriu que o tiroteio foi ideia de Erickson.