Internacionais

Japão e EUA iniciam grande exercício militar em meio a temor crescente com China

Reuters
Reuters
Japão e EUA iniciam grande exercício militar em meio a temor crescente com China
General Kevin Schneider, comandante das forças dos EUA no Japão, e general Koji Yamazaki, principal comandante militar do Japáo, se cumprimentam a bordo do destróier JS Kaga no mar ao sul do Japão

26 de outubro de 2020 - 11:41 - Atualizado em 26 de outubro de 2020 - 11:45

Por Tim Kelly

A BORDO DO JS KAGA (Reuters) – O Japão e os Estados Unidos iniciaram nesta segunda-feira exercícios aéreos, marítimos e terrestres em torno do Japão, uma demonstração de força diante da atividade militar crescente da China na região.

O exercício Espada Afiada é a primeira grande mobilização desde que Yoshihide Suga se tornou o primeiro-ministro japonês no mês passado com a promessa de manter o reforço militar visando se contrapor a Pequim, que reivindica ilhas do Mar do Leste da China controladas pelo Japão.

A Espada Afiada, que é realizada a cada dois anos, envolve dúzias de navios de guerra, centenas de aeronaves e 46 mil soldados, marinheiros e fuzileiros navais do Japão e dos EUA. Com duração até 5 de novembro, a manobra incluirá treinamento de guerra cibernética e eletrônica pela primeira vez.

“A situação de segurança ao redor do Japão se torna cada vez mais severa. Isto nos dá a oportunidade de demonstrar a força da aliança Japão-EUA”, disse o general Koji Yamazaki, o principal comandante militar japonês, a bordo do porta-helicópteros Kaga em águas ao sul do Japão.

O maior navio de guerra japonês estava acompanhado do porta-aviões norte-americano USS Ronald Reagan e dos contratorpedeiros que o escoltam. Com 248 metros de comprimento, o Kaga, que voltava de patrulhas no Mar do Sul da China e no Oceano Índico, será adaptado já no início do ano que vem para acomodar caças antirradar F-35.

O Japão ficou particularmente preocupado com um aumento de atividade naval chinesa ao redor das ilhas disputadas no Mar do Leste da China, que Tóquio chama de Senkaku e Pequim de Diaoyu.

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEG9P17R-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.