Internacionais

Human Rights Watch acusa Israel de crimes de “apartheid” contra palestinos

Reuters
Reuters
Human Rights Watch acusa Israel de crimes de “apartheid” contra palestinos
Palestinos protestam contra assentamento judeus na vila de An-Naqura, na Cisjordânia ocupada

27 de abril de 2021 - 11:07 - Atualizado em 27 de abril de 2021 - 11:11

Por Rami Ayyub

JERUSÁLEM (Reuters) – A entidade de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch acusou Israel nesta terça-feira de adotar políticas de apartheid e perseguição contra palestinos e contra sua própria minoria árabe que equivalem a crimes contra a humanidade.

Sediada em Nova York, a Human Rights Watch publicou um relatório de 213 páginas que disse não pretender comparar Israel com a África do Sul dos tempos de apartheid, mas avaliar “quais atos e políticas específicos” constituem apartheid tal como definido na lei internacional.

O Ministério das Relações Exteriores de Israel rejeitou as acusações, “tanto absurdas quanto falsas”, e acusou a HRW de acolher uma “pauta anti-israelense”, dizendo que o grupo tenta “há anos promover boicotes contra Israel”.

O presidente palestino, Mahmoud Abbas, saudou o relatório.

Poucas semanas atrás, o Tribunal Penal Internacional (TPI) anunciou que investigará crimes de guerra na Cisjordânia sob ocupação israelense e na Faixa de Gaza e que os militares de Israel e grupos palestino armados, como o Hamas, serão identificados como possíveis perpetradores.

Em seu relatório, o HRW destacou as restrições israelenses à circulação de palestinos e a tomada de terras palestinas para assentamentos judeus em territórios ocupados desde a Guerra dos Seis Dias de 1967 como exemplos de políticas que disse serem crimes de apartheid e perseguição.

“Em todo Israel e (nos territórios palestinos), autoridades israelenses mostram a intenção de manter uma dominação sobre os palestinos exercendo controle sobre terras e demografias em benefício dos judeus israelenses”, diz o relatório.

(Reportagem adicional de Ali Sawafta em Ramallah, Anthony Deutsch em Amsterdã e Stephanie van den Berg em Haia)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH3Q0SZ-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.