Internacionais

Hamas liberta palestinos presos após conferência virtual com israelenses

Reuters
Reuters
Hamas liberta palestinos presos após conferência virtual com israelenses
Soldados israelenses perto de local onde foi descoberto túnel na Faixa de Gaza

26 de outubro de 2020 - 19:35 - Atualizado em 26 de outubro de 2020 - 19:36

Por Nidal al-Mughrabi

GAZA (Reuters) – O Hamas, grupo militante islâmico que comanda a Faixa de Gaza, condenou três ativistas palestinos pacifistas por “enfraquecer o espírito revolucionário” após eles se reunirem com ativistas israelenses pela paz em uma chamada pelo aplicativo Zoom, mas ordenou a soltura de dois deles após seis meses de prisão.

O Hamas prendeu Rami Aman, de 39 anos, e sete outros ativistas em abril após a conferência virtual, descrevendo o ato como “traição”. 

Diálogos entre militantes israelenses e palestinos de Gaza são raros.

Embora cinco dos ativistas tenham sido libertados cinco dias depois da prisão, procuradores militares de Gaza acusaram formalmente Aman e dois outros de auxiliarem Israel e ordenaram a prisão deles até o julgamento. Um dos ativistas recebeu o direito à fiança em julho. 

Um tribunal militar dirigido pelo Hamas condenou nesta terça-feira todos os três de “enfraquecer o espírito revolucionário”, mas ordenou que as autoridades soltassem Aman e outro ativista que continuava preso.

Ao falar à Reuters pouco depois de sua soltura, Aman contou que havia dito ao tribunal que não pedia por uma normalização dos laços com Israel. 

(Reportagem de Nidal al-Mughrabi, em Gaza, e Rami Ayyub, em Jerusalém)

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEG9P1RC-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.