Internacionais

EUA pedem que OMS conduza segunda fase de estudo sobre origem de vírus na China

Reuters
Reuters
EUA pedem que OMS conduza segunda fase de estudo sobre origem de vírus na China
Bandeiras dos EUA e da China, em Pequim

27 de maio de 2021 - 19:41 - Atualizado em 27 de maio de 2021 - 19:46

GENEBRA (Reuters) – Os Estados Unidos pediram nesta quinta-feira para que a Organização Mundial da Saúde conduza uma segunda fase de sua investigação sobre as origens do coronavírus, com especialistas independentes recebendo acesso completo a dados originais e amostras na China. 

Uma equipe liderada pela OMS que passou quatro semanas na cidade e nos arredores de Wuhan em janeiro e fevereiro com pesquisadores chineses disse em um relatório em março que o vírus havia provavelmente sido transmitido a partir de morcegos para humanos através de um outro animal, e que a “introdução por meio de um incidente em laboratório era considerada uma hipótese extremamente improvável”. 

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, ordenou que seus assessores encontrem respostas para a origem do vírus que causa a Covid-19, dizendo na quarta-feira que agências de inteligência dos EUA estão analisando teorias rivais potencialmente incluindo a possibilidade de um acidente em um laboratório na China. 

O estudo inicial da OMS foi “insuficiente e inconclusivo”, segundo afirmou a missão dos EUA na ONU em Genebra em uma nota na quinta-feira, pedindo a condução do que chamou de uma segunda investigação oportuna, transparente e baseada em evidências, inclusive na China. 

“É fundamental que a China ofereça aos especialistas independentes acesso total aos dados originais e completos e as amostras relevantes para entendimento da fonte do vírus e do estágios iniciais da pandemia”, afirma a declaração dos EUA. 

A China, por comentários de um representante de sua embaixada nos Estados Unidos, disse na quinta-feira que apoia “um estudo abrangente de todos os casos iniciais da Covid-19 descobertos pelo mundo, e uma investigação minuciosa em bases secretas e laboratórios biológicos por todo o mundo”. 

Mike Ryan, principal especialista em emergências da OMS, disse na reunião anual de ministros de Saúde na quarta-feira: “Fizemos consultas informais com muitos países membros para ver o que acontece na próxima fase. E vamos continuar a fazer essas discussões nas próximas semanas”. 

(Reportagem de Stephanie Nebehay em Genebra)

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH4Q1HS-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.