Internacionais

Corrida eleitoral no Peru está acirrada uma semana antes de votação

Reuters
Reuters

30 de maio de 2021 - 12:45 - Atualizado em 30 de maio de 2021 - 12:45

Por Marco Aquino

LIMA (Reuters) – O socialista peruano Pedro Castillo e seu adversário de direita Keiko Fujimori estão empatados nas pesquisas apenas uma semana antes das eleições presidenciais polarizadas do país andino, em 6 de junho.

Uma pesquisa da Ipsos Peru neste domingo mostrou os dois candidatos a 2 pontos percentuais um do outro e a diferença entre eles diminuindo em relação à pesquisa anterior, sugerindo uma disputa acirrada.

A pesquisa mostrou Castillo, um professor que prometeu reformular a constituição do Peru e obter uma fatia maior dos lucros dos mineiros, subindo 2 pontos para ter 42% dos votos. Fujimori, entretanto, subiu 3 pontos, a 40% dos votos.

A eleição, em meio a um dos surtos de coronavírus mais difíceis do mundo, pode inclinar o país, um relativo porto seguro a investidores na América Latina, para a esquerda ou trazer a polêmica família Fujimori de volta ao poder.

O ex-presidente Alberto Fujimori, pai de Keiko Fujimori, cumpre atualmente uma longa pena de prisão por corrupção e abusos dos direitos humanos. A própria Keiko está enfrentando uma investigação sobre suposta corrupção, que ela nega.

A pesquisa foi realizada no dia 28 de maio e contemplou 1.526 pessoas, com margem de erro de 2,51%. Indecisos representam 18%, ante 23% na pesquisa anterior.

“Pode-se dizer que os dois concorrentes estão empatados estatisticamente. Porém, levando em consideração outros estudos, seria mais apropriado dizer que eles estão se aproximando”, disse Alfredo Torres, CEO da Ipsos.

Outra pesquisa divulgada neste domingo, neste caso pelo Instituto de Estudos Peruanos (IEP), mostrou que as intenções de voto em relação a Castillo caíram de 44,8% para 40,3%, enquanto o apoio a Fujimori avançou de 34,4% para 38,3%.

Enquanto a corrida eleitoral esquentava, milhares de apoiadores de Fujimori marcharam por Lima na noite de sábado para rejeitar o que chamaram de “comunismo” de Castillo, enquanto na semana passada outra marcha viu pessoas protestarem contra Fujimori e a corrupção.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.