Internacionais

Chile mantém confiança na CoronaVac apesar de questionamentos sobre dados de eficácia

Reuters
Reuters
Chile mantém confiança na CoronaVac apesar de questionamentos sobre dados de eficácia
Caixas da vacina CoronaVac contra Covid-19 em Pequim

14 de janeiro de 2021 - 18:21 - Atualizado em 14 de janeiro de 2021 - 18:26

Por Aislinn Laing

SANTIAGO (Reuters) – Autoridades chilenas disseram nesta quinta-feira que continuam confiantes na vacina desenvolvida pela chinesa Sinovac contra a Covid-19, apesar dos questionamentos em outros países após pesquisadores do Brasil anunciarem que a eficácia da CoronaVac é mais baixa do que foi sugerido inicialmente. 

Rodrigo Yanez, o subsecretário chileno de Comércio encarregado de adquirir vacinas contra a Covid-19 para o país, afirmou que a agência reguladora de saúde do Chile estava avaliando todos os dados disponíveis e anunciaria sua decisão sobre a aprovação emergencial para o imunizante em breve.

Ele disse que as vacinas irão servir seu propósito crítico se ajudarem a diminuir os sintomas graves, as hospitalizações e as mortes.

Nesta semana, pesquisadores no Instituto Butantan publicaram dados de um estudo clínico em estágio avançado mostrando que a vacina tinha 50,4% de eficiência na prevenção de infecções sintomáticas, incluindo casos “muito leves”. Na semana anterior, os pesquisadores haviam dito que a vacina da Sinovac mostrava 78% de eficiência para casos “leves a moderados”.

“Os números no Brasil são bons, embora eles possam ser enganosos se focarmos apenas nos 50%, já que a meta é evitar mortes e que as pessoas lotem os hospitais”, afirmou Yanez à Reuters em uma entrevista por telefone. “Ela deve ser muito mais eficiente com os casos mais graves da doença, uma vez que os dados clínicos sustentarem o que foi anunciado nesta semana”. 

O Chile pagou 3,5 milhões de dólares para receber testes clínicos da vacina e também encomendou 60 milhões de doses para administrar à sua população de 18 milhões de habitantes nos próximos três anos. 

O Chile já iniciou a vacinação contra a Covid de seus profissionais de saúde usando o imunizante da Pfizer, e a agência reguladora do país também está avaliando se aprova a vacina da AstraZeneca para o uso emergencial.

A notícia da eficácia da CoronaVac nos estudos do Brasil levou Malásia e Cingapura, que também firmaram acordos com a Sinovac, a anunciarem que irão buscar mais dados da empresa chinesa sobre os índices de eficácia antes de finalizarem suas compras.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH0D1KV-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.