Internacionais

Chanceleres de EUA, Brasil e outros países condenam prisões em massa em Cuba

Reuters
Reuters
Chanceleres de EUA, Brasil e outros países condenam prisões em massa em Cuba
Cubanos a favor e contrários ao governo entram em confronto em Havana

26 de julho de 2021 - 12:44 - Atualizado em 26 de julho de 2021 - 12:45

WASHINGTON (Reuters) – Os chanceleres dos Estados Unidos, Brasil e de outros 19 países condenaram nesta segunda-feira as prisões em massa em Cuba e pediram a restauração total do acesso à internet no país, que recentemente foi abalado por distúrbios políticos.

A declaração conjunta foi emitida pelos governos da Áustria, Colômbia, Croácia, Chipre, República Tcheca, Equador, Estônia, Guatemala, Grécia, Honduras, Israel, Letônia, Lituânia, Kosovo, Montenegro, Macedônia do Norte, Polônia, República da Coreia e Ucrânia, ao lado de Estados Unidos e Brasil.

“As democracias de todo o mundo estão se unindo para apoiar o povo cubano, pedindo ao governo cubano que respeite as demandas dos cubanos por direitos humanos universais”, disse o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, referindo-se ao grupo que inclui alguns vizinhos latino-americanos de Cuba junto de ex-membros e satélites da União Soviética.

Na semana passada, os EUA impuseram sanções a um ministro da Segurança de Cuba e a uma unidade das forças especiais do Ministério do Interior por supostos abusos dos direitos humanos durante uma repressão a protestos antigovernamentais no início deste mês contra a crise econômica, a forma como o governo lida com a pandemia do coronavírus e as restrições recentes sobre os direitos civis. Centenas de ativistas foram detidos.

(Por Lisa Lambert e Doina Chiacu)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH6P14Y-BASEIMAGE