Internacionais

Células T induzidas por infecção de Covid-19 respondem às novas variantes do vírus, diz estudo dos EUA

Reuters
Reuters
Células T induzidas por infecção de Covid-19 respondem às novas variantes do vírus, diz estudo dos EUA
Produção de vacina contra Covid-19 em Marburg, na Alemanha

30 de março de 2021 - 21:08 - Atualizado em 30 de março de 2021 - 21:11

Por Julie Steenhuysen

CHICAGO (Reuters) – Um componente crucial do sistema imunológico conhecido como células T que responde para combater a infecção contra a versão original do novo coronavírus parece também proteger contra três das mais preocupantes novas variantes do vírus, de acordo com um estudo de laboratório feito nos Estados Unidos e publicado nesta terça-feira. 

Diversos estudos recentes mostram que algumas variantes do novo coronavírus podem prejudicar a proteção imunológica de anticorpos e vacinas. 

Mas os anticorpos – que bloqueiam o coronavírus de se atracar às células humanas – podem não contar a história completa, de acordo com estudo conduzido por pesquisadores do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos EUA (NIAID, na sigla em inglês). As células T parecem desempenhar um importante papel de proteção adicional.

“Nossos dados, assim como os resultados de outros grupos, mostram que a resposta de células T à Covid-19 em indivíduos infectados com as variantes virais iniciais parece reconhecer totalmente as novas grandes variantes identificadas no Reino Unido, na África do Sul e no Brasil”, disse Andrew Redd, do NIAID e da Escola de Medicina da Universidade Johns Hopkins, e que liderou o estudo.

Os pesquisadores analisaram o sangue de 30 pessoas que haviam se recuperado da Covid-19 antes do surgimento das novas e mais contagiosas variantes. 

Nessas amostras, eles identificaram uma forma específica de célula T que estava ativa contra o vírus, e examinaram como era o desempenho dessas mesmas células contra as variantes da África do Sul, Reino Unido e Brasil.

A conclusão foi que as respostas das células T permaneceram amplamente intactas e poderiam reconhecer virtualmente as mutações em todas as variantes estudadas. 

A descoberta acrescenta a um estudo anterior que também sugeria que a proteção por células T parecia continuar intacta contra as variantes.

Os pesquisadores do NIAID disseram que estudos maiores são necessários para confirmar a descoberta. É preciso o monitoramento contínuo para variantes que escapem da proteção de anticorpos e células T, disse Redd.

O artigo foi aceito para publicação no Fórum Aberto de Doenças Infecciosas mas ainda não foi revisado por pares.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH2U00K-BASEIMAGE

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.