Internacionais

Casa Branca rejeita ideia de que soltura de executiva da Huawei foi troca de prisioneiros

Reuters
Reuters
Casa Branca rejeita ideia de que soltura de executiva da Huawei foi troca de prisioneiros
Diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou

27 de setembro de 2021 - 20:11 - Atualizado em 27 de setembro de 2021 - 20:15

Por Alexandra Alper e Michael Martina

WASHINGTON (Reuters) – A Casa Branca afirmou nesta segunda-feira que a soltura quase simultânea de uma importante executiva da empresa chinesa Huawei e de dois canadenses detidos pouco após a prisão dela não foi uma troca de prisioneiros, mas disse que os dois casos foram mencionados em um telefonema entre os presidentes da China e dos Estados Unidos há algumas semanas. 

Na sexta-feira, a diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, voltou do Canadá para a China após firmar um acordo com promotores norte-americanos para encerrar um caso de fraude bancária, que era um ponto de tensão entre China e Estados Unidos. 

Algumas horas depois da notícia do acordo, os dois canadenses que tinham sido presos pouco tempo depois da detenção da executiva foram soltos na China e estavam voltando para o Canadá. A China negou que as prisões tinham alguma ligação. 

Quando perguntada se a Casa Branca estaria envolvida na negociação de uma “troca de prisioneiros”, a secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, rejeitou a premissa.

Um acordo fechado entre a procuradoria e Meng foi “uma ação do Departamento de Justiça, que é um Departamento de Justiça independente. Isso é uma questão de aplicação da lei”, disse Psaki, acrescentando: “Não há ligação”. 

Mas Psaki também confirmou que numa ligação no dia 9 de setembro o líder chinês, Xi Jinping, havia mencionado o caso e que o presidente norte-americano, Joe Biden, havia feito pressão pela libertação de dois canadenses, o empresário Michael Spavor e o ex-diplomata Michael Kovrig, que estavam detidos na China há mais de 1 mil dias. 

(Reportagem de Alexandra Alper, Steve Holland, Michael Martina, Jeff Mason, David Brunnstrom e Simon Lewis)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH8Q15E-BASEIMAGE