Internacionais

Biden erra ao manter diretriz da era Trump na fronteira, dizem aliados

Reuters
Reuters
Biden erra ao manter diretriz da era Trump na fronteira, dizem aliados
Presidente dos EUA, Joe Biden

7 de julho de 2021 - 11:43 - Atualizado em 7 de julho de 2021 - 11:46

Por Ted Hesson

WASHINGTON (Reuters) – O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, frustra aliados ao manter em vigor uma diretriz de expulsão na fronteira da era Trump à qual opõem ativistas de direitos humanos e especialistas de saúde, e parece ganhar pouco politicamente, já que até os republicanos criticam a maneira como ele lida com a situação.

O chamado decreto Título 42 permite que autoridades dos EUA expulsem imediatamente imigrantes que cruzam a fronteira ilegalmente. Depois de passar meses defendendo-a como necessária para ajudar a deter a disseminação da Covid-19 pela fronteira sul, agora o governo Biden almeja isentar famílias da diretriz no final de julho, de acordo com três pessoas a par do assunto.

Grupos de direitos humanos e defensores da imigração comemoram a possível medida, mas alguns dizem que o presidente democrata cometeu um erro politicamente custoso ao mantê-la em vigor por tanto tempo. Eles argumentam que ela fez pouco para deter centenas de milhares de imigrantes e tampouco o blindou de ataques republicanos segundo os quais suas políticas provocam um aumento da imigração da América Central.

“Não importa o que o presidente Biden faça na fronteira, muitos o criticarão por isso”, disse Aaron Reichlin-Melnick, conselheiro de políticas do grupo pró-imigrantes American Immigration Council, que pede o fim do Título 42. “Por isso, ele deveria só fazer a coisa certa e adotar a ação que respeita a lei e permite que as pessoas busquem proteção.”

O decreto Título 42 também dá munição aos críticos republicanos, já que ajudou a elevar nos últimos meses o número de prisões para os níveis mais altos em 20 anos. Como muitos imigrantes são simplesmente expulsos para o México, e não deportados para seus países de origem, uma pessoa pode ser presa várias vezes por diversas travessias, o que faz parecer que mais pessoas estão atravessando a fronteira do que de fato está ocorrendo.

Manter a diretriz em vigor também custa a Biden o apoio muito necessário de grupos defensores de imigrantes que tradicionalmente desempenham um papel crucial ao proporcionar representação legal e serviços básicos a imigrantes recém-chegados, e cujos membros trabalham estreitamente com o governo Biden.

Clara Long, diretora-associada da Human Rights Watch, entidade com sede na cidade de Nova York, disse que a gestão Biden acabou com a boa vontade dos ativistas, que agora temem que planos futuros do democrata limitem o acesso ao asilo.

(Reportagem adicional de Kristina Cooke em San Francisco)

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH660WC-BASEIMAGE