Internacionais

Atiradores matam 30 pessoas em ataque no oeste da Etiópia

Reuters
Reuters

31 de março de 2021 - 16:00 - Atualizado em 31 de março de 2021 - 16:00

NAIRÓBI (Reuters) – Atiradores mataram 30 civis durante um ataque em um vilarejo do oeste da região etíope de Oromiya, disseram testemunhas nesta quarta-feira, o último rompante de violência étnica a desafiar o governo federal da nação turbulenta.

A Etiópia, o segundo país mais populoso da África, está tendo dificuldade para controlar vários focos onde rivalidades étnicas relativas a terras, poder e recursos surgiram antes das eleições nacionais marcadas para junho.

O primeiro-ministro, Abiy Ahmed, promete realizar as primeiras eleições livres e justas, mas algumas de suas reformas também atiçaram autocratas regionais e grupos revoltados com o que descrevem como décadas de repressão do governo.

O agricultor Wossen Andaege, de 50 anos, disse que seus vizinhos foram mortos durante o ataque da noite de terça-feira em Wollega do Oeste, em Oromiya. Ele identificou as vítimas como amharas étnicos.

“Recolhemos os corpos usando um carro e enterramos 30 pessoas”, disse Wossen por telefone, contando que ele e a família ouviram tiros e fugiram para um escritório governamental próximo para esperar pela proteção de tropas federais.

Autoridades locais atribuíram o ataque, no qual outras 15 pessoas ficaram feridas, a um grupo dissidente da Frente de Libertação de Oromo (OLF), conhecido como OLF Shane ou Exército de Libertação de Oromo. A OLF é um partido de oposição que passou anos no exílio, mas deixou de ser ilegal quando Abiy tomou posse em 2018.

(Da redação de Adis Abeba)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.