Internacionais

Agência de veteranos dos EUA exige que equipe médica seja vacinada contra Covid-19

Reuters
Reuters
Agência de veteranos dos EUA exige que equipe médica seja vacinada contra Covid-19
Emblema do Departamento de Assuntos de Veteranos dos Estados Unidos

26 de julho de 2021 - 18:57 - Atualizado em 26 de julho de 2021 - 19:01

Por Trevor Hunnicutt

WASHINGTON (Reuters) – O Departamento de Assuntos de Veteranos dos Estados Unidos exigiu nesta segunda-feira que seus médicos e outros profissionais de saúde sejam vacinados contra a Covid-19, tornando-se a primeira agência federal do país a impor a requisição em um momento de expressiva relutância em relação às vacinas por alguns norte-americanos.

“É a melhor maneira de manter os veteranos seguros, especialmente enquanto a variante Delta se espalha pelo país”, afirmou o secretário de Assuntos de Veteranos (VA, na sigla em inglês), em nota.

“Quando um veterano ou funcionário do VA adentrar uma instalação nossa, eles merecem saber que fizemos de tudo ao nosso alcance para protegê-los da Covid-19. Com esse mandato, podemos novamente fazer – e manter – aquela promessa fundamental”, acrescentou McDonough.

O VA compreende o maior sistema de saúde dos EUA, empregando mais de 367 mil profissionais de saúde em tempo integral, além de equipes de apoio em 1.293 instalações, de acordo com seu website. A exigência de vacinação na agência se aplica a médicos, dentistas, enfermeiras e assistentes, entre outros.

A agência informou que os funcionários terão oito semanas para ficarem completamente imunizados, e que quatro de seus funcionários já morreram por conta da Covid-19.

O presidente norte-americano, Joe Biden, se esquivou de uma pergunta de jornalistas na Casa Branca sobre se a exigência de vacinação deveria se estender a mais funcionários do governo federal.

Os Estados Unidos reportaram mais de 47 mil casos diários de Covid-19, de acordo com a média semanal do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC), número que é bem inferior ao pico de mais de 200 mil no início do ano, mas que beira o triplo do ritmo de um mês atrás.

(Reportagem de Jan Wolfe, Trevor Hunnicutt e Lisa Lambert)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH6P1H3-BASEIMAGE